Até quando o orelhão irá ficar ‘parado’?

Mesmo com ação de grafiteiros criando obras de arte nos orelhões, o telefone público deixou de chamar a atenção para a principal utilidade: realizar ligações.


O telefone público, ou orelhão, popularmente dito, caiu no esquecimento de grande parte da população desde o avanço dos celulares comuns até agora, na era dos smartphones com acesso a internet. São poucas as pessoas que ainda usam essa forma de comunicação, seja porque esqueceram o celular em casa ou porque a bateria do aparelho móvel está acabando.

Em um caso de urgência, sem outro meio para se comunicar, algumas pessoas recorrem ao telefone público mais próximo. Salvo esta situação, não encontramos outro motivo para utilizá-lo, visto que temos o telefone em nosso bolso. Até mesmo as pessoas de baixa renda, que teriam razão para ligar de um orelhão, já possuem acesso a um telefone celular.




Com quase nenhuma demanda, os orelhões acabam dando prejuízo às concessionárias de telefonia, que são obrigadas pelo governo a mantê-los funcionando mesmo que ninguém use para fazer ligações. Recentemente a operadora Oi foi condenada a liberar chamadas locais gratuitamente para outros números fixos por não manter o mínimo de orelhões funcionando em cada estado.



No tempo em que mobilidade e conectividade são essenciais, existem muitas ideias para tentar revitalizar o telefone público, mas até agora nenhuma saiu do papel. Se nos Estados Unidos é comum cabine telefônica com Wi-Fi, aqui continuamos no modelo arcaico, sendo que o vandalismo é o principal obstáculo para que essa tecnologia chegue por aqui, e as operadoras não estão querendo jogar fortuna fora com manutenções desnecessárias.
Por enquanto, só nos resta aguardar que a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), junto com as concessionárias de todo o país – Oi, Vivo, Embratel, Sercomtel e Algar Telecom – criem soluções, para que ideias não fiquem só no papel, mas que beneficiem a todos e ajudem o Brasil a ser mais conectado e desenvolvido, assim como os demais países.
LEIA TAMBÉM:

About Redação Minha Operadora
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.

5
DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, FAÇA LOGIN para comentar
3 Número de Comentários
2 Número de Respostas
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário com mais interação
0 Autores de comentários
Junior JJfeErick Nilson SilvaJefferson ornFaendROBERTO SANTOS NETTO Autores recentes de comentários
  Acompanhar esta matéria  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
Jefferson ornFaend
Visitante

Me lembro das filas para usá-lo. Eu sabia de um método para falar de graça no orelhão.

ROBERTO SANTOS NETTO
Visitante

Qual é ?

Jefferson ornFaend
Visitante

Eu usava um cartão telefônico, sem créditos. Era só inseri-lo, com o telefone no gancho, depois retirava o telefone do gancho, discada para um telefone fixo (pois esse método só funcionava para telefone fixo) e assim que a pessoa atendia, tinha que retirar o cartão. A ligação durava só uns 10 segundos, mais ou menos. Eu fazia isso nos orelhões da Telemar.

Erick Nilson Silva
Visitante

A Oi gasta 300 milhoes por ano com orelhoes mas ninguem mais usa os orelhoes. So whats app mesmo…

Junior JJfe
Visitante

Orelhões por algum pouco tempo teria que funcionar somente em hospitais, escolas e em alguns lugares se difícil acesso do Brasil.