Telefônica/Vivo lança a terceira fase do projeto “Pescando com Redes 3G”

A Qualcomm Incorporated (por meio Qualcomm Wireless Reach™) e a Fundação Telefônica|Vivo, em parceria com a prefeitura do município de Santa Cruz Cabrália (BA), anunciam o lançamento da terceira fase do projeto “Pescando com Redes 3G”, que inclui a abertura do “Centro de Educação e Inovação Tecnológica – Pescando com Redes 3G” (CEIT-PR3G).

Lançado em 2010, o “Pescando com Redes 3G” promove o desenvolvimento econômico e social de Santa Cruz Cabrália, no sul do estado da Bahia, por meio da inclusão digital e social de pescadores e mariculturistas (produtores de ostras). A 3ª fase focará em como a comunidade pode aumentar o poder da conectividade móvel, 24 horas por dia, para transformar a aprendizagem e criar novas oportunidades de negócios.

“Anos atrás, eu não sabia se eu estava tendo lucro ou prejuízo quando a pesca. Com esse projeto, eu posso verificar no meu celular os preços, as quantidades e as despesas antes de voltar para a terra. E com a Rede 3G, eu posso falar com muitos clientes sobre quantos peixes que eu tenho, e, mais tarde, enviar por e-mail preço e perguntar se eles querem comprar a minha carga.”, diz Adeildo da Conceição Lacerda, pescador em Cabrália.

O CEIT PR3G, instalado em um prédio doado pelo município de Santa Cruz Cabrália, vai oferecer cursos de capacitação para moradores da região. Com o uso de tablets e smartphones fornecidos pela Qualcomm Wireless Reach, os participantes conectam-se pela rede 3G da Vivo com uma plataforma online com ferramentas de desenvolvimento, permitindo a criação de conteúdo digital localizado e aplicativos móveis únicos. Além disso, os cursos serão ministrados em locais externos e em ambientes ao ar livre em comunidades distantes, onde os participantes residem. O projeto impactará mais de 4 mil pessoas em Santa Cruz Cabrália e um adicional de 5 mil pessoas em comunidades vizinhas.
“O projeto Pescando com Redes 3G demonstra que as tecnologias móveis estão transformando a maneira como as pessoas em comunidades carentes vivem, aprendem e trabalham.”, disse Rafael Steinhauser, presidente da Qualcomm América Latina. “A expansão deste projeto permitirá ainda mais que pescadores e mari culturistas nestas comunidades melhorem seu comércio e aumentem as oportunidades de desenvolvimento econômico”.

“A conexão 3G da Vivo já chegou a mais de 3.100 municípios brasileiros e vemos os benefícios sociais que essa tecnologia está trazendo a Cabrália, especialmente às comunidades de pescadores, que hoje têm muito mais tranquilidade para trabalhar e facilidades para incrementar seus negócios”, afirma Antonio Carlos Valente, presidente da Vivo.
Para Françoise Trapenard, Presidente da Fundação Telefônica|Vivo, o Centro de Educação e Inovação Tecnológica será um importante espaço para a população de Santa Cruz Cabrália, principalmente os jovens. “As primeiras fases do projeto atuaram fortemente para melhorar a vida dos pescadores e de suas famílias, mas os jovens estão em busca de novas oportunidades e de olho nas tecnologias.” diz. “Este Centro trabalhará junto com os jovens para que construam seus projetos de vida e desenvolvam negócios mais sustentáveis para a região.” finaliza Françoise.
Na primeira fase do projeto, os pescadores em Cabrália utilizaram as redes 3G e dispositivos móveis para acessar informações em tempo real sobre as condições de pesca e preços de mercado. Como resultado, viram um aumento na sua renda, melhoraram a eficiência do seu comércio, e experimentaram um crescimento no nível de confiança de toda a comunidade de pescadores.
No total, cerca de 60 pescadores em sete comunidades foram diretamente beneficiados, além de mais 750 pessoas, bem como empresas locais, que se beneficiaram indiretamente. Na comunidade de Coroa Vermelha, onde a unidade de processamento de pescado está localizada, a receita aumentou para quase R$ 70 mil (cerca de US$35 mil) no período de nove meses após o lançamento do projeto.

“O aspecto mais importante deste projeto é que ele trouxe unidade para a comunidade. As pessoas estão mais conectadas pela pesca e eles não sofrem com perdas ou períodos de seca, como no passado. Eles gerenciam suas próprias atividades e negociam o produto a um preço justo. Tais ações mudaram suas vidas”, explicou Claudio Mendes (Xepa), diretor de pesca em Cabrália.
A segunda fase do projeto teve o treinamento sobre o cultivo de ostras como uma alternativa sustentável para a pesca tradicional durante o período de entressafra. Os participantes ainda receberam um aplicativo de realidade aumentada que usa o Vuforia™ da Qualcomm para acessar textos, fotos e vídeos sobre o projeto “Pescando com Redes 3G”, informações sobre a comunidade e restaurantes parceiros, dicas de turismo e um jogo para desenvolver a conscientização socioambiental. Hoje, a fazenda de ostras, localizada na comunidade de Santo Antonio, produz cerca de três mil unidades por mês, com o potencial para chegar a 10 mil. Durante esta fase, a introdução do cultivo de ostras para o comércio de pesca em Santa Cruz de Cabrália aumentou as oportunidades de emprego e renda familiar na região.
O IABS, organização sem fins lucrativos especializada em meio ambiente, e a Editacuja, empresa de educação móvel com uma plataforma online e ferramentas de desenvolvimento, são contratadas para implementar e operar todos os aspectos do projeto Pescando com Redes 3G. A USAID (Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional) também apoia o projeto.

A SKY tem o plano ideal para a sua TV! Aproveite já com 50% de desconto no primeiro mês. Ligue 0800 123 2040.


COMPARTILHAR EM:

About Redação Minha Operadora
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários