Oi garante que investirá R$ 3 bilhões no 2º semestre

Mesmo ainda em fase de reestruturação, a Oi garante que investirá R$ 3 bilhões no segundo semestre. Ideia da concessionária é fechar 2011 com investimentos de R$ 5 bilhões – no 1º semestre foram R$ 2 bilhões – com prioridade na banda larga fixa e móvel. Em 2010, quando a geração de caixa foi a grande meta, os aportes ficaram em R$ 3,1 bilhões. Maior parte dos recursos será destinada à banda larga fixa e móvel.

Na banda larga, revela Francisco Valim, presidente da Oi, o objetivo é aumentar a velocidade média de conexão para 5 Mbps para todos os assinantes. “Vamos entrar na briga da banda larga ultrarrápida, mas a ideia, agora, é melhorar o serviço ofertado”, disse. Usar LTE em 1,8MHz para aumentar a oferta de serviços de última geração móvel só se viabilizará depois da divulgação do edital de venda da faixa de 2,5GHz.


Nesta segunda-feira, 15/08, a Oi divulgou o resultado financeiro do segundo trimestre. Foi a primeira vez que o novo presidente, Francisco Valim, manteve contato com a imprensa. Sustentou que o momento é de ‘dias longos de trabalho’ e de ‘saber onde estamos, para definir para onde vamos’.

Procurou falar pouco, mas não fugiu ao seu estilo ao ser indagado sobre a oferta de banda larga ultrarrápida – onde a Oi sofre concorrência direta da GVT na sua área de atuação, da Net, da Embratel e, no início de 2012, da TIM, no Rio de Janeiro.

“Já temos banda larga ultrarrápida em Fortaleza, em Salvador, temos um plano de expansão que vamos seguir, mas queremos, mais do que tudo, aumentar a velocidade de conexão banda larga dos nossos 4,6 milhões de assinantes. A meta de ofertar 25% está sendo trabalhada. Tanto que já passamos de 1,9Mbps para 2,13 Mbps. A proposta é levar 5 Mbps. Banda larga ultrarrápida para nós é acima de 40 mbps. E é voltada para nichos”, disse Valim.

Sobre a cobertura 3G, a Oi admitiu que possui a menor do mercado, mas garante que dos R$ 3 bilhões previstos para novos investimentos até dezembro, parte irá para aumentar a capilaridade e capacidade dos serviços 3G, com especial atenção em São Paulo e na região Sul.

Para brigar ainda esta área, a concessionária admite que pode usar o LTE, a 4G da telefonia móvel, na faixa de 1,8MHz, onde está o serviço 2G. Mas para isso, afirmou o diretor de assuntos regulatórios, Paulo Mattos, vai esperar a divulgação pela Anatel do edital da venda do espectro de 2,5GHz. “Qualquer plano virá desse edital”, garantiu.

A Oi também anunciou durante a teleconferência a compra da Vex por R$ 27 milhões e o lançamento, em setembro, da oferta de banda larga popular, nos moldes acertados no Programa Nacional de Banda Larga.


Balanço financeiro
A Oi registrou, no segundo trimestre de 2011, lucro líquido de R$ 354 milhões. No período, a Oi obteve receita bruta de R$ 11,1 bilhões, um aumento de 1,8% em relação aos primeiros três meses do ano. Já a receita líquida atingiu R$ 7 bilhões, com crescimento de 2,1% em relação ao trimestre anterior. O Ebitda (lucro antes de despesas financeiras, impostos depreciações e amortizações) consolidado foi de R$ 2,48 bilhões, e a margem Ebitda ficou em 35%.



No UOL Play você encontra filmes, séries, desenhos, shows e esportes ao vivo. Além disso, alugue os títulos que acabaram de sair do cinema. Clique e experimente por 7 dias grátis!

COMPARTILHAR EM:

About Redação Minha Operadora
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários