21/02/2024

Facebook recebe críticas por restrição de notícias no Canadá

Decisão da Meta em restringir as notícias do Canadá no Facebook, mesmo em meio a caos ambiental, tem gerado polêmica.

A Meta, empresa responsável pelas plataformas Facebook e Instagram, tomou uma decisão que tem gerado grande controvérsia. Esta decisão envolve o banimento de conteúdo proveniente de empresas jornalísticas em suas plataformas no Canadá, como uma resposta à implementação de uma nova lei que exige o pagamento por parte da Meta pelo uso de materiais produzidos pela mídia.

Canadá

Este movimento da Meta tem gerado um debate acirrado, especialmente no contexto dos incêndios florestais que estão atualmente devastando diversas cidades do Canadá. A decisão da empresa impacta a maneira como informações cruciais sobre os incêndios e os planos de evacuação estão sendo compartilhadas com o público.

Tanto grandes grupos de imprensa renomados, como a rede CBC, quanto veículos de mídia locais menores, como os presentes na cidade de Yellowknife, que está sob ameaça direta dos incêndios, encontram-se impossibilitados de compartilhar informações relevantes sobre a situação atual e os passos tomados para garantir a segurança da população.

O porta-voz da Meta, David Troya-Alvarez, explicou a posição da empresa em uma comunicação com a CBC. Ele argumentou que as regiões afetadas pelos incêndios florestais podem contar com as redes sociais da Meta para manter uma conexão com suas comunidades e acessar informações confiáveis. A Meta acredita que suas plataformas podem servir como um meio crucial para disseminar conteúdo de agências governamentais oficiais, serviços de emergência e organizações não governamentais, fornecendo informações essenciais para a segurança pública e a tomada de decisões informadas em um momento de crise.

Contudo, a decisão da Meta também tem sido amplamente criticada. Muitos argumentam que, ao banir o conteúdo jornalístico, a empresa está prejudicando o acesso à informação diversificada e independente, que é fundamental em situações de crise. A proibição também levanta questões sobre o poder das gigantes de tecnologia de controlar o fluxo de informações e influenciar o acesso do público a notícias importantes.

A empresa anunciou que implementou uma funcionalidade denominada “Verificação de Segurança”. Essa função tem a finalidade de permitir que os usuários ativem um recurso clicando em um botão específico. Essa ação atualiza o status do usuário e, ao mesmo tempo, notifica seus amigos e familiares de que ele se encontra a salvo diante das ocorrências de incêndios florestais.

Por outro lado, a empresa estabeleceu uma abordagem restritiva em relação à disseminação de notícias relacionadas aos incêndios florestais no Canadá. Se um usuário tentar compartilhar uma notícia proveniente de uma fonte de mídia confiável, que tenha passado por um processo de apuração e verificação conduzido por profissionais jornalistas, os seguidores desse usuário receberão uma mensagem indicando que o conteúdo não está acessível no país.

Para contornar essa restrição, alguns moradores estão adotando uma abordagem alternativa. Eles estão optando por compartilhar capturas de tela das notícias provenientes das organizações de comunicação. Essa estratégia tem sido utilizada como uma forma de burlar o bloqueio imposto pela plataforma.

No entanto, mesmo com essa tentativa de circunvenção, existem relatos que indicam que uma porção desse tipo de conteúdo também está sendo alvo de bloqueio nas redes da empresa Meta, responsável pela plataforma em questão. Isso sugere que a empresa está tomando medidas para controlar a disseminação de notícias específicas, mesmo quando elas são compartilhadas de maneiras não convencionais, como capturas de tela.

O governo canadense expressou novamente sua desaprovação em relação à posição da empresa americana de mídia social, Meta, por continuar bloqueando notícias em suas plataformas. O Canadá seguiu exemplos de outros países ao regulamentar a compensação financeira para empresas jornalísticas cujo conteúdo é compartilhado em plataformas, mesmo quando postado por usuários.

No entanto, a Meta e o Google afirmam que a lei canadense é inviável de ser implementada, ao contrário de acordos alcançados em outros países com organizações de mídia. Como resultado, tanto a Meta quanto o Google decidiram enfrentar o governo canadense e proibir a veiculação de notícias em suas plataformas.

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários