28/02/2024

2T23 Telefônica: Vivo registra 98 milhões de acessos móveis; veja detalhes

Telefônica divulgou resultados da companhia referente ao segundo trimestre de 2023 e mostrou bons números em relação as operações da Vivo.

A Telefônica Brasil S.A. (B3: VIVT3, NYSE: VIV) divulgou na noite desta terça-feira, 25, os resultados do segundo trimestre de 2023. Entre os destaques estão o fortalecimento da liderança com 98 milhões de acessos móveis no segmento pós-pago , o market share ao final de mai/23 foi de 43,6% (+1,9 p.p. a/a).

Telefônica Vivo

Além de bons números na rede móvel, a operadora celebrou também crescimento no serviço de rede FTTH, aumento na receita líquida, manutenção dos números da receita fixa, além de conseguir alcançar mais de R$ 4 milhões em investimentos. Veja aqui a planilha com todos os dados números disponibilizados pela empresa. 

Maiores destaques dos resultados do 2T13 da Telefônica Brasil

A Telefônica Brasil, que detém os direitos da Vivo no país, registrou 59,7 milhões acessos no serviço pós-pago, 5,8 milhões de acessos na rede RTTH, conseguiu R$ 12,7 bilhões em receitas totais e R$ 5,1 bilhões em EBITDA.

A companhia destaca o fortalecimento da liderança com 98 milhões de acessos móveis. No segmento pós-pago (ex-M2M), o market share ao final de mai/23 foi de 43,6% (+1,9 p.p. a/a), enquanto o churn no 2T23 está no menor nível histórico, 1,00%.

Sobre a rede de FTTH, a operadora afirma que já está presente em 439 cidades (+85 cidades a/a) com 24,7 milhões de casas passadas (+17,2% a/a) e 5,8 milhões de casas conectadas (+15,1% a/a).

Em relação à receita líquida, a empresa apresentou crescimento (+7,6% a/a) no primeiro trimestre com a mesma base de comparação anual desde a aquisição dos ativos móveis da Oi em abril de 2022. A Telefônica atribui esse desempenho pelo crescimento de duplo-dígito da receita de serviço móvel (+10,4% a/a). A receita fixa continua em tendência positiva, aumentando +2,3% a/a, com destaque para as receitas de FTTH (+14,3% a/a) e de Dados Corporativos, TIC e Outros (+15,1% a/a).

O EBITDA aumentou +11,1% a/a, com uma margem de 39,9% (+1,2 p.p a/a), em função do forte desempenho no móvel. O crescimento dos custos desacelerou (+5,4% a/a) no trimestre, devido à eficiência operacional e às iniciativas de digitalização.

Já o fluxo de Caixa Operacional totalizou R$ 2.732 milhões (+36,4% a/a) no trimestre, com uma margem de 21,5% (+4,5 p.p. a/a) em relação à receita líquida. Nos primeiros seis meses de 2023, os Investimentos somaram R$ 4.039 milhões (-9,3% a/a) ou 15,9% das receitas (-3,3 p.p. a/a).

Por fim, o lucro líquido alcançou R$ 1.957 milhões no primeiro semestre de 2023 (+28,9% a/a). A remuneração aos acionistas declarada até julho de 2023 atingiu R$ 2.161 milhões, sendo R$ 1.121 milhões em juros sobre capital próprio, R$ 827 milhões em m dividendos e R$ 213 milhões em recompras de ações.

Serviço Móvel 

No último trimestre, a Receita de Serviço Móvel registrou um crescimento de 10,4% em relação ao ano anterior, impulsionada principalmente pela Receita de Pós-pago, que teve um aumento de 13,3%. Isso foi resultado do aumento da base de clientes, reajustes anuais de preço e baixo nível de churn histórico.

Durante esse período, foram adicionados 930 mil acessos pós-pago, resultado tanto da migração de pré-pago para controle quanto do saldo positivo de portabilidade de outras operadoras.

Por outro lado, a Receita de Pré-pago apresentou uma redução de 1,6% em comparação ao ano anterior, devido à migração de acessos pré-pago para o controle, o que beneficiou a dinâmica geral da receita de serviço móvel.

Com o objetivo de simplificar o portfólio de ofertas no pré-pago e incentivar a migração para o controle, a empresa alterou sua oferta de entrada no pré-pago, tornando-a quinzenal e oferecendo 4 GB de dados por R$ 15,00.

Outro fator relevante foi a venda de smartphones compatíveis com 5G, que já representam 74% do total de smartphones vendidos nas lojas. Além disso, a ampla oferta de acessórios também contribuiu para um incremento de 7,0% na Receita de Aparelhos em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Negócio Fixo 

No 2º trimestre de 2023, a Receita Líquida Fixa cresceu 2,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, impulsionada pelo aumento de 9,4% da Receita Core Fixa, que agora representa 78,5% da receita total. Esse crescimento contínuo é resultado da estratégia de expansão dos negócios em fibra e serviços digitais B2B, diz a Telefônica.

A receita proveniente de serviços FTTH (fibra até a casa do cliente) teve um aumento significativo de 14,3% no 2T23, impulsionada pelo crescimento da base de clientes e pelo reajuste anual de preços. Nos últimos 12 meses, a empresa expandiu sua rede FTTH para 3,6 milhões de novos domicílios, conectou 760 mil novos clientes e aumentou a cobertura para 439 municípios.

O sucesso do serviço FTTH é atribuído à oferta convergente de pós-pago e fibra, chamada Vivo Total, que representou 80% das adições de clientes FTTH nas lojas físicas próprias nos últimos três meses. Além disso, o churn mensal desse serviço foi de apenas 0,39% no período, bem abaixo dos produtos autônomos.

A Receita de IPTV, um produto associado à conectividade de fibra, aumentou 1,3% no 2T23 devido ao reajuste anual de preço, apesar de uma leve redução na base de acessos (-2,2% em relação ao ano anterior).

Custos e vendas

Segundo o relatório da Telefônica, o Custo dos Serviços e Produtos Vendidos cresceu 6,4% a/a, em função das maiores receitas com serviços digitais e venda de aparelhos e acessórios. Veja:

  • SERVIÇOS – aumento de 0,5% a/a no 2T23, em função da venda de licenças e serviços para empresas;
  • PRODUTOS VENDIDOS – evolução de 16,0% em relação ao 2T22, refletindo a maior receita com venda de aparelhos e soluções de TI.

Em relação aos Custos da Operação, a empresa afirma que apresentaram crescimento de 5,0% a/a, devido principalmente à inflação do período e maiores custos atrelados ao

segmento B2B. E dentro disso a companhia destaca os seguintes números:

  • PESSOAL – aumento de 16,8% a/a no 2T23;
  • COMERCIAIS E INFRAESTRUTURA – incremento de 1,1% quando comparado ao 2T22;
  • PROVISÃO PARA DEVEDORES DUVIDOSOS – cresceu 10,2% a/a no 2T23;
  • GERAIS E ADMINISTRATIVAS – ligeira redução de 0,5% a/a no trimestre;
  • OUTRAS RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS – apresentaram receita de R$ 38 milhões aumento de 77,2% na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior.

Outros números: do EBITDA ao Lucro Líquido 

Nesse relatório o EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) foi de R$ 5.085 milhões, um aumento de 11,1% em relação ao mesmo período do ano anterior, com margem EBITDA de 39,9% (+1,2 p.p. a/a). Esse desempenho foi impulsionado pelo crescimento de 10,4% na receita de serviço móvel e pelo controle de custos. Após arrendamentos IFRS 16, o EBITDA foi de R$ 3.927 milhões, com aumento de 12,0% a/a e margem de 30,8% (+1,2 p.p. a/a).

A Depreciação e Amortização aumentou 3,5% em relação ao 2T22, mas o crescimento anual desacelerou devido à base de ativos comparável com o período anterior.

O Resultado Financeiro teve uma despesa de R$ 486 milhões no 2T23, uma redução de -19,2% a/a, principalmente devido a maiores receitas com variações monetárias e aplicações financeiras.

O Lucro Líquido atingiu R$ 1.123 milhões no segundo trimestre de 2023, um aumento de 47,2% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, impulsionado pelo crescimento do EBIT (+26,8% a/a) e menor despesa financeira.

Negócios Digitais 

Entre os destaques deste tópico, a Telefônica relatou dados dos serviços/produtos B2C e B2B. Sobre o B2C há:

  • Vivo Controle: houve o anúncio do lançamento de três planos Controle com opções de entretenimento e saúde. Os novos planos são: o Vivo Controle Saúde, que tem acesso a rede da Vale Saúde por R$ 72/mês; o Vivo Controle Netflix com plano padrão com anúncios da Netflix por R$ 78/mês; e o Vivo Controle Entretenimento com pacote Vivo Play App inicial por R$ 92/mês;
  • Serviços Financeiros: Em junho de 2023, a carteira do Vivo Money atingiu R$ 275 milhões, um aumento de 3,6x em relação ao mesmo período do ano anterior. As  receitas com serviços financeiros cresceram 39% na comparação anual, totalizando R$ 95 milhões no 2T23;
  • Entretenimento: A Vivo distribui aos seus clientes os melhores OTTs de música e vídeo do mercado. Esse serviço representou R$ 137 milhões em receitas no 2T23 (+35% a/a), e encerramos junho de 2023 com 2,5 milhões de assinantes de plataformas de conteúdo;
  • Vivo Ventures: O fundo de Corporate Venture Capital, Vivo Ventures, celebrou contrato de investimento no montante de US$ 3 milhões na Digibee, seu terceiro investimento desde o lançamento. A investida é uma iPaaS (Integration Platform as a Service) lowcode que possibilita, segundo a companhia,  a integração entre sistemas tecnológicos legados e novas tecnologias de forma simplificada e mais eficiente.

Já sobre o segmento B2B, o relatório da Telefônica comenta que as empresas do Brasil estão caminhando em direção à digitalização, e destaca que a Vivo oferece serviços que vão além da conectividade com diversos serviços. Com isso no 2T23, os serviços digitais para empresas geraram R$ 800 milhões em receitas (+24% a/a), representando 6,3% da receita total da Vivo no ano (+0,8 p.p. a/a).

Confira todos os detalhes dos resultados deste trimestre clicando aqui.

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários