Crise dos chips pode perdurar até pelo menos o fim deste ano

Escassez de semicondutores tem grande potencial de refletir no preço dos eletrônicos.

Crise dos chips pode perdurar até pelo menos o fim deste ano

De acordo com fontes ligadas à indústria de semicondutores, a atual crise dos chips pode se prolongar até pelo menos o final deste ano.

Inclusive, o cenário pode se tornar caótico no segundo semestre, gerando um aumento generalizado nos preços de produtos eletrônicos.

Esse aumento poderia ficar entre 13% e 30%, sendo aplicado a 30 empresas que montam semicondutores, revelou as fontes ao Taipei Times e DigiTimes.

Elas afirmam que fabricantes como UMC, SMIC e Power Semiconductor devem subir preços com chips de gerenciamento de energia e memória.

VEJA TAMBÉM:

–> Falta de chips pode elevar preços dos smartphones

–> Fone de ouvido bluetooth por R$ 17 e mais ofertas techs para aproveitar hoje

–> Vale a pena comprar uma TV Box? Conheça opções para todos os bolsos

No caso da NAND e DRAM, é previsto aumentos de dois dígitos já no terceiro trimestre deste ano.

Já as grandes empresas, como é o caso da TSMC, elas ainda têm – por enquanto – margem para trabalhar com grandes volumes de chips e oferecer descontos para alguns fabricantes.

Nenhuma das empresas citadas emitiu algum posicionamento sobre o tema.

Essa notícia se junta a outras previsões pessimistas de que a crise dos chips ainda está longe do fim.

Michael Dell, fundador da Dell, por exemplo, chegou a afirmar que a situação deve perdurar por mais alguns anos.

A atual crise na fabricação de semicondutores é reflexo da pandemia da Covid-19.

Com mais gente em casa, surgiu uma alta demanda por produtos eletrônicos para que as pessoas pudessem trabalhar, estudar ou se entreter durante o isolamento social.

Por outro lado, a pandemia reduziu ou fechou fábricas ao redor do mundo, afetando a produção de semicondutores e outros componentes.

A falta de chips afeta não apenas smartphones, mas uma ampla variedade de produtos, desde videogames até automóveis.

Com o surgimento de novas variantes e surgimento de novas ondas da pandemia, é esperado que a crise dos chips seja pior no último trimestre deste ano do que foi enfrentado durante o final de 2020.

Com informações de TudoCelular.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários