Operação derruba 120 mil aparelhos de IPTV pirata (a nova Gatonet)

Serviço se espalhou pela Zona Norte do Rio de Janeiro e conquistou centenas de clientes; saiba os detalhes.

Aparelhos de TV Box com software ilegal.
Aparelhos de TV Box com software ilegal. Imagem: Foto cedida pela Receita Federal ao G1

As políticas de combate parecem mais incisivas, mas o serviço pirata de IPTV não para de se espalhar.

A prática, inclusive, é vista como a evolução do Gatonet, aparelho que era oferecido em diversas regiões e liberava o sinal de todos os canais da TV por assinatura por um custo inferior.

Com as IPTVs piratas, o mercado ilegal ganha uma abrangência.

Os interessados que possuem recursos (Smart TVs, box de streaming ou qualquer outro dispositivo com acesso) compram apenas o acesso à lista de canais, que pode ser adicionada em um app.

VIU ISSO?

–> Usuários de IPTV pirata começam a receber cartas de alerta

–> Brasil pode ganhar mais uma IPTV grátis (com streaming de vídeo)

–> Hackers estão extorquindo serviços de IPTV pirata

Para os que não possuem, o mercado ilegal oferece dispositivos com softwares ilegais que conectam à internet e disponibilizam o acesso.

Portanto, é um processo que agora viabiliza a ilegalidade por meio da internet, diferente de como era praticado no passado.

Os assinantes, além de terem todos os canais da TV paga, contam até mesmo com um acervo de conteúdo sob demanda.

Nele, é possível encontrar filmes, séries e outros conteúdos exclusivos das plataformas de streaming como Globoplay, Netflix, Amazon Prime Video e outras.

As assinaturas são oferecidas por valores na faixa de R$ 30 mensais ou até mesmo pacotes que englobam três meses e oferecem desconto.

Imagem cedida pela Receita Federal ao G1. Folheto de divulgação de uma IPTV grátis
Imagem cedida pela Receita Federal ao G1. Folheto de divulgação de uma IPTV grátis

Em 2021, as autoridades apreenderam cerca de 120,2 mil aparelhos. Somente na última, no dia 31 de março, foram 13.200.

O contrabando tem valor estimado em R$ 9,9 milhões.

Já em 2020 foram mais de 1 milhão de aparelhos confiscados e um valor que ultrapassa R$ 1 bilhão.

Com informações de G1

About Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
4 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários