Ernesto Araújo acusa senadora de fazer lobby chinês em relação 5G

Interlocutores do governo dizem que o ministro está se vitimizando para não deixar o cargo.

Neste domingo, 28 de março, o Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, acusou a senadora Kátia Abreu (PDT-TO) de fazer lobby na questão do 5G.

De acordo com Araújo, em 4 de março passado, ele recebeu a senadora para um almoço, no qual teve uma conversa cortês, mas que pouco ou nada se falou sobre a questão das vacinas para a Covid-19.

Ele afirmou que ao final do almoço, ela teria feito um lobby a favor da China nas futuras redes 5G do país.

“Ministro, se o senhor fizer um gesto em relação ao 5G, será o rei do Senado”, disse a senadora, segundo o ministro.

VIU ISSO?

–> Anatel aprova edital sem restrições à Huawei nas redes 5G das teles

–> Leilão do 5G poderá sofrer atraso e acabar ficando para julho

–> Leilão 5G pode ser R$ 12 bilhões mais caro do que o esperado

Na mesma publicação, ele afirmou que desconsiderou o pedido, com o argumento de que o assunto não seria de sua competência.

“Desconsiderei a sugestão inclusive porque o tema 5G depende do Ministério das Comunicações e do próprio Presidente da República, a quem compete a decisão última na matéria”, afirmou.

Kátia Abreu é presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado.

Em nota, ela disse que durante o almoço defendeu um leilão sem vetos ou restrições políticas e que “devem prevalecer os critérios de preço e qualidade”.

Ela disse ainda que o banimento de empresas chinesas no 5G poderia gerar prejuízos na relação entre a China e Brasil, principalmente no agronegócio.

“Se um chanceler age dessa forma marginal com a presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado da República de seu próprio país, com explícita compulsão belicosa, isso prova definitivamente que ele está à margem de qualquer possibilidade de liderar a diplomacia brasileira. Temos de livrar a diplomacia do Brasil de seu desvio marginal”, disse a senadora.

Vários senadores utilizam o Twitter para demonstrar apoio à senadora.

Ministro em queda

Nos últimos dias, Ernesto Araújo está sob pressão para deixar o cargo.

A Câmara e o Senado acusam o Itamaraty de adotar uma política “arrogante”, “belicosa” e “inoperante” para com os outros países, o que tem atrasado a importação de vacinas e insumos para combater a pandemia.

A acusação para com a senadora foi vista como uma medida desesperada do ministro para permanecer no cargo.

Ele quer defender a narrativa que o motivo da perda de apoio do Congresso se deve à questão da participação chinesa no 5G, e não o atraso no fornecimento de vacinas.

Interlocutores do governo dizem que Araújo está se vitimizando e tentando ter uma saída “honrosa” do Itamaraty.

Aliados do presidente da República, Jair Bolsonaro, também veem a postura do ministro como insustentável.

Além disso, a acusação também amplia o clima de desunião entre os poderes, principalmente em um cenário de aprofundamento da pandemia no país.

[ATUALIZAÇÃO – 29/03/2021 13h30]:

Após a repercussão negativa ao ataque à senadora Kátia Abreu, Ernesto Araújo anunciou a subordinados que pretende apresentar na tarde desta segunda-feira, 29 de março, o pedido de demissão ao presidente Jair Bolsonaro.

A informação foi confirmada pelo veículos Globo e UOL.

Com informações de G1.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
4 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários