segunda-feira, 29 de abril de 2019

67% dos brasileiros não pensam em trocar de smartphone tão cedo

Pesquisa revela que o consumidor brasileiro está mais interessado em acessórios de proteção para os seus aparelhos.


Pela primeira vez na história, em 2018, o mercado mundial de smartphones apresentou declínio: a queda nas vendas foi de 4% em relação a 2017, segundo a empresa de pesquisa Counterpoint Research. 

No Brasil, entre setembro e dezembro, a retração foi de 10,5% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Por outro lado, a comercialização de acessórios para celulares permaneceu em alta, o que evidencia uma mudança de hábito dos consumidores: os cuidados aumentaram e, consequentemente, o investimento nos itens de proteção. 


Um levantamento do e-commerce Gorila Shield mostra esse novo cenário. Segundo o estudo, 90,9% dos participantes estão satisfeitos com o smartphone e 67,4% não pensam em substituí-lo tão cedo. Mais zelosos, 84% nunca quebraram a tela do aparelho e 79% nunca deixaram cair na água. 

A pesquisa foi feita com 1.106 compradores, entre novembro de 2018 e março de 2019. “Adquirir itens de proteção antes mesmo de começar a utilizar um novo celular tornou-se uma preocupação básica”, comenta Michele Martins, do marketing da Gorila. Não à toa, capas e películas lideram o ranking da loja virtual, com 8.405 e 5.788 unidades, respectivamente, no primeiro trimestre deste ano. 

VIU ISSO?




Cabos, carregadores de tomada e veicular e suportes veiculares seguem na lista. Entre janeiro e março foram vendidas 3.220 unidades do Cabo Tipo C e 3.020 do modelo Lightning (específico para iPhones e iPads), além de 3.071 do Carregador Turbo Fast Charger. Isso mostra que os usuários têm procurado formas de prolongar a vida da bateria e manter seus dispositivos por mais tempo”, pontua Michelle. 

Novas marcas chinesas conquistam mercado mundial

Gigantes que dominavam o mercado cedem espaço para marcas antes desconhecidas no Brasil. A pesquisa identificou aumento nas vendas de acessórios para o modelo Pocophone F1, da Xiaomi, que, junto com a Huawei, conquista os consumidores no Brasil. 

Ambas tiveram crescimento expressivo em 2018, frente a quedas históricas nas vendas da Samsung e da Apple. Para 2019, a previsão é que a fabricante do iPhone perca seu lugar de terceira maior do mundo para a Xiaomi, caso esta última alcance a venda de R$ 150 milhões em aparelhos, segundo o estudo Canalys. 


4 comentários:

  1. Até queria trocar de celular mais falta dinheiro , então talvez ano que vem eu troco

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho a quase 3 anos o mesmo celular. Funciona bem ainda e não estou disposto a trocar só se caso estragar e não ter mais conserto.
    Sobre acessórios concordo. Nesse mês troquei a película do celular e capinha pela terceira vez e ainda comprei um suporte veicular.

    ResponderExcluir
  3. Tenho 2 smartphone um 4 g e um 3 g o 3 g queiemou o visor pretendo trocar quando der e trocar a camaera e no 4 a camera estragrou e a tela ta com visor trincado por isso algumas coisas nao sao reconhecidas o toque na tela.mas vou levar pro concerto quando der mas nao tenho interesse em compra outro smartphone tao cedo porque ta muito caro os smartphones

    ResponderExcluir
  4. Troquei meu celular aproveitando a Black Friday 2018 e não pretendo tão cedo mexer com trocar de aparelho, especialmente em se tratando de iPhone. Fiquei com o último 4,5 anos e ainda o vendi por um preço bacana. A não ser que dê algum defeito, estrague ou seja roubado, os preços dos aparelhos são absurdamente elevados e não justifica ficar tentando acompanhar a industria eletro eletrônica a cada 12 meses.

    ResponderExcluir

Ao deixar a sua opinião no Minha Operadora você concorda em respeitar o nosso Código de Conduta.