Qualcomm diz que Brasil está muito atrasado em relação ao 5G

Executivo da Qualcomm analisa o panorama de implementação do 5G no Brasil.


A Qualcomm, por intermédio do seu presidente para América Latina, Rafael Steinhauser, em entrevista ao Tecmundo, disse que o Brasil e demais países da América Latina está muito atrasado em relação a implementação do 5G.


O executivo explica que a principal questão é em relação ao pouco espectro de radiofrequência nas bandas que o 5G necessita. Essa relação de espectro disponível x o que é necessário, varia de quantas operadoras entrarão na disputa para oferecer o serviço. 


No caso do Brasil, as quatro maiores representantes do segmento – Claro, TIM, Vivo e Oi, entrarão na jogada, e para atender a todas será preciso fazer concessões que jogam contra o desempenho prático da tecnologia. 

“As frequências para o 5G estão em duas bandas, na banda abaixo de 6 GHz, chamada de sub-6, e nas bandas milimétricas (26 GHz, 28 GHz, 30 GHz, até 6o GHz). As duas bandas são importantes para o 5G, porque uma vai dar alta confiabilidade e baixa latência para aplicações de missões críticas, como telemedicina ou carros autônomos. As bandas milimétricas são importantes porque elas vão dar capacidade, toda a capacidade que precisamos para muita banda larga as pessoas e coisas a nossa volta”, explica Steinhauser.



O Brasil ainda irá passar pelo processo primordial para a implantação do 5G, que é o leilão de frequências. A Anatel já confirmou que o leilão será realizado em março de 2020. 

Serão colocados à venda 200 MHz na frequência de 3,5 GHz; 100 MHz na frequência de 2,3 GHz e 10 MHz da sobra da frequência de 700 MHz.

Infelizmente, o processo inicial de licitação trabalhará apenas com a perspectiva do 5G sub-6GHz. A tecnologia no modo de bandas milimétricas deve demorar ainda mais para chegar ao país. A expectativa é que o 5G chegue ao Brasil em 2023.

No Brasil, estamos começando o processo de alocação e licitação de 200 MHz na banda de 3,5 GHz. É um começo, pensando que teremos, possivelmente, essa banda dividida para as quatro operadoras. 50 MHz para cada uma. Mas o 5G começa realmente a partir de 100 MHz para cada uma das operadoras.


VIU ISSO?


“Posso dizer que com 50 MHz para cada operadora poderemos começar a ter alguma experiências 5G, mas não viveremos os benefícios plenos do 5G, que, como eu explique, está concebida como plataforma universal de acesso a banda larga e a nuvem, para qual, se precisa de muita banda e muita frequência”, ressalta o executivo da Qualcomnm.

No Chile a situação é ainda mais dramática, só há espaço de espectro de frequência para uma operadora.

É sempre bom relembrar que 5G vai muito além de tornar a conexão do seu smartphone mais rápida, há uma lista infinita de aplicações que são mais significativas que dependem, obrigatoriamente, de muita banda. Um caso interessante é a possibilidade de controlar robôs de forma remota, confira aqui mais detalhes sobre essa possibilidade.

About William Plaza
Levamos informação de qualidade sobre o setor de telefonia fixa, móvel, internet banda larga e televisão por assinatura para os milhões de brasileiros que a cada dia estão se conectando cada vez mais.

1 Comentário

  1. Brasil um país Corrupto que castiga os pobres essa nova tecnologia vai chegar com o avanço do Anti cristo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.


*