Teles movem ação contra lei sobre tempo de atendimento em lojas

Lei prevê multa caso o atendimento em lojas das teles exceda 15 minutos em dias normais e 25 em véspera de feriados e datas comemorativas.



A Acel (Associação Nacional das Operadoras Celulares) e a Abrafix (Associação Brasileira de Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado) moveram uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) contra a Lei 16.725/2018 que prevê multa às operadoras se o tempo de atendimento dos clientes nas lojas exceda 15 minutos em dias normais e 25 minutos em véspera de feriados e datas comemorativas.
O relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6066 movida pelas associações é o ministro Edson Fachin.


A Lei, que foi promulgada pela Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, está em vigor desde o dia 23/05/2018. Em caso de descumprimento da ordem a multa é de  250 Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (Ufesps), algo  em torno de R$ 6.500, 00.

As entidades que representam as operadoras citam o artigo 6 da Resolução 632 do Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações – RGC que fixou o prazo  máximo de 30 minutos para atendimento presencial dos consumidores. 
VIU ISSO?
A lei estipula que o cliente receba uma senha com número de ordem de chegada, data e horário que comprove o tempo de espera para atendimento.

“A regulamentação da Anatel, como se vê, trata exaustivamente da questão, não havendo espaço para que a lei impugnada inove na matéria, ainda mais estabelecendo um limite de tempo para espera inferior ao fixado pela agência reguladora”, dizem as associações contrárias a lei.

As associações também dizem que somente a lei federal ou resolução da Anatel poderiam alterar essa questão. 

COMPARTILHAR EM:

About William Plaza
Levamos informação de qualidade sobre o setor de telefonia fixa, móvel, internet banda larga e televisão por assinatura para os milhões de brasileiros que a cada dia estão se conectando cada vez mais.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
2 Comentários
mais votado
mais novo mais antigo
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
Almir Nunes

Isso resultado de um excesso de leis em um país onde não liberdade de mercado.

Eduardo Silva Feitosa

Concordo, amigo. #JoaoAmoedo2022