GVT estimula seus funcionários

A GVT, operadora do grupo francês Vivendi, com sede em Curitiba, decidiu inverter a lógica dos benefícios: são os funcionários que definem as vantagens que vão obter. A empresa baseou a ideia em um sistema de pontos. Dependendo do cargo e do nível hierárquico, o funcionário recebe um determinado número de pontos a ser usado em benefícios – e pode adaptá-los às necessidades de seu estilo de vida.

“A pessoa pode escolher ter mais para comer em restaurantes ou para gastar no supermercado”, exemplifica Giovane Nichele da Costa, vice-presidente de recursos humanos da GVT. Há também a possibilidade de descartar benefícios que não façam sentido para a fase da vida do novo contratado. “A creche, por exemplo, pode ser muito importante para quem tem família, mas não é útil para uma pessoa mais jovem e solteira.”

Esse tipo de vantagem diferenciada, na visão do executivo, tem a função de construir a reputação da GVT em um mercado que disputa profissionais qualificados. “É uma arma para atrair talentos”, diz Costa. Para retê-los, diz o executivo, é preciso ir ainda mais longe e oferecer bônus de longo prazo. A GVT oferece prêmios em ações para determinados níveis hierárquicos. Mas só pode vender os papéis quem permanecer no mínimo três anos na companhia.

No UOL Play você encontra filmes, séries, desenhos, shows e esportes ao vivo. Além disso, alugue os títulos que acabaram de sair do cinema. Clique e experimente por 7 dias grátis!

About Redação Minha Operadora
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários