Problema deixa 600 linhas de telefone do governo de SP sem funcionar


Pane começou na terça (17), após pedido de portabilidade.
Parte dos escritórios do governo do Estado de São Paulo vive um apagão em suas linhas telefônicas desde a terça-feira (17). Deixaram de funcionar 600 linhas que atendem as secretarias de Gestão , Desenvolvimento, Saneamento e Recursos Hídricos, Energia e Casa Civil. Estão paradas até mesmo linha de atendimento ao cidadão, como serviços de “fale conosco”.

De acordo com o diretor da Companhia Paulista de Obras e Serviços (CPOS), Felipe Sigollo, o problema ocorreu durante a migração das linhas da operadora Vivo para a Smart Voip, que ganhou licitação para operar o serviço. No total, 800 linhas passarão a ser geridas pela Smart.

Segundo Sigollo, a Vivo, que adquiriu a Telefônica, começou o processo de portabilidade na sexta-feira (13). Passaram para as mãos da Voip inicialmente 200 linhas, pois a estratégia era fazer uma migração gradativa ao longo de 30 dias. Na terça, porém, as 600 linhas que ainda faltavam migrar, de acordo com Sigollo, pararam de funcionar.

A Vivo ainda não se manifestou sobre o problema.

Diante do problema, o governo do Estado resolveu pedir a migração imediata de todas as linhas. Segundo a Smart, se não houver mais problemas, isso deve ocorrer até a segunda-feira (23). É o tempo que demora o processo. A Smart, a nova operadora, tem que solicitar a migração à ABR Telecom, órgão habilitado pela Anatel para cuidar da portabilidade. Por meio da ABR, a Vivo repassa as linhas para a nova operadora.

No UOL Play você encontra filmes, séries, desenhos, shows e esportes ao vivo. Além disso, alugue os títulos que acabaram de sair do cinema. Clique e experimente por 7 dias grátis!

About Redação Minha Operadora
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários