Rede de fibra óptica da Oi chega ao Amapá e faz preço da internet despencar


A Oi iniciou as obras para interligação do estado do Amapá com a sua rede de fibra óptica para fornecimento de banda larga naquela região. O projeto recebeu um investimento de 32 milhões de reais e deverá ser concluído em 180 dias.

A parceria do governo do estado do Amapá com a Oi permitirá que a companhia leve os serviços de banda larga ao custo do PNBL por fibra óptica a oito municípios do estado, que hoje é atendido pela empresa apenas por conexão satelital. Os municípios que serão atendidos são: Macapá, Santana, Porto Grande, Ferreira Gomes, Tartarugalzinho, Amapá, Calçoene e Oiapoque. Atualmente a Oi atua com banda larga apenas na capital Macapá e o preço do Velox de 300 kbps custa R$ 219 e o de 600 kbps R$ 429. Com a chegada da fibra, a empresa comercializará o Velox de 1 Mbps por R$ 35. Caso o estado faça a adesão ao convênio do Confaz que isenta o PNBL do ICMS, o preço cai para R$ 29,90.

O estado do Amapá receberá o link de fibra com a construção de um backbone de Calçoene até Oiapoque. De lá, a Oi fez um acordo com a operadora francesa Guayacom que completará a construção do backbone até Cayenne na Guiana Francesa. De Cayenne, a rede se conecta ao cabo submarino Americas 2, controlado por um consórcio do qual a Embratel faz parte. A extensão da rede do lado brasileiro (trecho que será realizado pela Oi) é de 230 Km; no lado francês são mais 180 km. A partir de Calçoene, a Oi trocará tráfego com a rede da Eletrobras que levará o sinal da operadora até Macapá.

É grande a contribuição do Estado do Amapá no projeto. Do orçamento de R$ 32 milhões, o Estado, através de renúncia do ICMS, contribuirá com R$ 16 milhões. A secretária estadual da Fazenda, Jusinete Alencar, explica que a o Estado renunciará ao ICMS dos serviços prestados pela Oi até o limite de R$ 16 milhões. O Amapá, assim como outros 7 estados, aderiu ao convênio 85/2011 que trata de desoneração tributária para a construção de infraestrutura.

O diretor de política regulatória da Oi, Carlos Alberto Cidade, diz que a expectativa para a finalização das obras é de seis meses, a partir da obtenção de todas as licenças necessárias. A operadora já tem a licença do DNIT para a implantação das torres (a rede será aérea) ao longo da BR 156 e aguarda a liberação da Funai e do Ibama. Segundo ele, essas autorizações devem sair em algumas semanas. Cidade explica que a licença da Funai é a mais complicada porque envolve negociação com o conselho de caciques das tribos da região. Segundo ele, normalmente os índios solicitam um ponto de conexão à internet para a aldeia e acesso telefônico. Hoje a Oi tem 1,8 mil clientes do Velox na cidade e a expectativa do executivo é que haja um grande aumento de interessados com a chegada do PNBL.

A operadora espera instalar 12 mil portas de seu serviço de Internet fixa (Oi Velox) nos primeiros doze meses de operação e, em um segundo momento, levar sua rede para mais seis dos 16 municípios do Amapá, atendendo 570 mil pessoas, ou 85% da população urbana (81% da população total do estado).

O acordo da Oi com o governo do estado antecipa em pelo menos dois anos a chegada da fibra óptica no estado. Isso porque o linhão Tucuruí-Manaus-Macapá está previsto para ser concluído apenas em 2014.

No UOL Play você encontra filmes, séries, desenhos, shows e esportes ao vivo. Além disso, alugue os títulos que acabaram de sair do cinema. Clique e experimente por 7 dias grátis!


COMPARTILHAR EM:

About Redação Minha Operadora
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários