Combos podem garantir economia de até 36%

Com a união recente entre empresas de telefonia, TV por assinatura e internet – casos como os da Claro, Embratel e Net e da Telefonica/Vivo – ganharam força os chamados combos destes três produtos. São pacotes que oferecem todos os serviços por um preço atraente. Em simulações feitas, a economia chegou a 36,46% na comparação com produtos comprados em separado.

De acordo com Eduardo Tude, presidente da Teleco Consultoria em Telecomunicações, a economia na compra dos produtos em um mesmo pacote gira em torno de 30%. “Na comunidade europeia, os chamados combos são oferecidos com desconto entre 25% e 30%. Apesar de não haver um levantamento desse tipo aqui no Brasil, é de se esperar que o mesmo ocorra”, diz.

No pacote oferecido pela Vivo, o cliente que adquirir o combo Plano Vivo TV mais Vivo Speedy e o Vivo Fixo pagará R$ 119,60. Um valor R$ 40,10 menor do que o da compra dos produtos separados.

O diretor da Net São Paulo, André Buontempo, afirma que um dos fatores que auxiliam no melhor preço é a diminuição dos custos operacionais por operadora. “Quando um produto é adquirido separadamente, existe todo o custo da operação (que envolve desde a atendente até o instalador). No combo se usa a mesma estrutura de fiação e atendimento. Isso reduz o custo da empresa”, conta.
Segundo Buontempo, o abatimento no preço do combo em relação aos produtos em separado chega a R$ 60, no caso da Net.

Duetos

Além de oferecer o combo de banda larga, TV por assinatura e telefonia, as empresas vendem apenas dois produtos. A GVT, por exemplo, oferece 10 mega de internet e o pacote Premium 25 por R$ 143,80, o que inclui mil minutos em ligações pelo fixo local no horário comercial.

Mas atenção antes de fechar a compra dos serviços. O Procon São Paulo, órgão de proteção ao consumidor, recomenda que o interessado em contratar um serviço de TV por assinatura, internet e telefonia confira com atenção as cláusulas dos contratos. É comum no setor os serviços virem acompanhados de algum tipo de período de fidelização, que pode chegar a um ano. A quebra de contrato pode gerar multas pesadas para o consumidor. 

De acordo com a assessora técnica do Procon São Paulo, Marta Aur, as vendas dos chamados combos são legais e não caracterizam venda casada. “As empresas oferecem os serviços de forma separada. O consumidor pode, por exemplo, contratar apenas uma ligação de banda larga. Porém, as pessoas tendem a preferir os combos por conta dos preços mais baratos.”

Porém, os preços praticados nos serviços individuais não podem ser muito mais altos do que os aferidos nos combos. “Os valores não podem ser discrepantes, mas a variação é subjetiva. A Anatel não estabelece um valor mínimo de desconto para os combos”, conta.
O consumidor que se sentir lesado pelo contrato deve entrar em contato com a empresa da qual é cliente. Caso não consiga entrar em acordo com a empresa, o consumidor deve se dirigir a um orgão de defesa do consumidor.
A assessora do Procon informa que as operadoras são obrigadas a informar de forma detalhada e separada os valores de cada serviço contratado.

Grupos estão entre as maiores reclamações

As operadoras dos serviços de TV por assinatura, internet e telefonia estão entre as empresas com o maior número de reclamação no Procon São Paulo em 2012. O grupo Vivo/Telefonica ocupa o segundo lugar, com 3.852 atendimentos. Atrás está o grupo Claro, com 3.112 registros. A Net e a Sky seguem na sétima e nona posições, com, respectivamente, 1.194 e 990 atendimentos.

Trocar de plano pode gerar bons descontos. Planos antigos costumam ter condições piores do que os atuais. Um exemplo disso são os valores cobrados pela banda larga. Atualmente a velocidade de transmissão de dados é muito maior do que há um ano. Não é raro um plano antigo pagar mais para receber apenas 1 mega de internet do que um fechado recentemente, que tem até 10 mega. A solução é renegociar o contrato.

COMPARTILHAR EM:


About Redação Minha Operadora
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários