InícioNotíciasOperadoras de telefonia se preparam para onda de inadimplência de clientes

Operadoras de telefonia se preparam para onda de inadimplência de clientes

Confira dicas de como evitar que seu celular entre na lista negra das operadoras.

A explosão do mercado de telefonia móvel nos últimos 10 anos transformou os aparelhos celulares em verdadeiros objetos de desejo dos brasileiros. O país fechou o ano passado com mais de 242 milhões de linhas, 39,3 milhões habilitadas somente em 2011 — em cada grupo de 100 habitantes, existem quase 124 acessos, número que salta para 212 no Distrito Federal. Mas, ao mesmo tempo em que facilitou a comunicação entre as pessoas, o avanço do setor aumentou o risco de descontrole financeiro e de crescimento da inadimplência. As empresas já acenderam o sinal amarelo e estão reforçando seus caixas para cobrir os possíveis calotes.

Maior operadora no país, a Vivo elevou sua provisão para devedores no terceiro trimestre do ano passado (último dado disponível) para R$ 152 milhões, o equivalente a 1,2% da receita bruta total da companhia. No mesmo período, a Tim gastou R$ 61 milhões com a cobertura dos calotes. Especialistas em consumo atribuem a compra de mais de um aparelho pela mesma pessoa ao simbolismo representado pelo celular. Cada vez mais, ter um telefone de última geração e estar conectado permanentemente com os amigos é sinal de melhoria do poder aquisitivo.
O excesso de contas e a complexidade dos planos das operadoras, porém, acabam se transformando em uma armadilha. “O celular é um meio de comunicação rápida. Mas, com tantas promoções, as pessoas que pretendiam economizar com várias linhas acabam se descontrolando”, afirma o educador financeiro Reinaldo Domingos. O susto no fim do mês é resultado da própria natureza do celular, que, por estar sempre à mão, foge facilmente do planejamento do consumidor. “Nem sempre o dono tem à disposição o aparelho no qual determinado serviço é promocional. Aí, acaba gastando mais com funções que não estavam previstas”, detalha.

Dono de quatro linhas, o motoboy Tiago Beloti aderiu ao plano pré-pago depois que acumulou R$ 1 mil em dívidas
O motoboy Tiago Vinicius Beloti tem quatro linhas de celular e transferiu todas para o plano pré-pago, depois que acumulou mais de R$ 1 mil em dívidas. “Não tinha como controlar os gastos. Precisava falar com os companheiros e, quando chegava o fim do mês, a conta vinha muito alta. Agora, não quero mais saber dos pós-pagos”, garante.
O presidente da financeira Cobrart, Luiz Felizardo Barroso, explica que, mais do que trocar a conta pós-paga pela pré-paga, é preciso ter em mente a quantia máxima de renda que pode ser destinada ao serviço. “A maioria se endivida por não ter consciência dos seus gastos”, observa. “O ideal é que o total de despesas com telefone celular fique entre 3% e 5% do orçamento”, afirma Domingos.
Dicas:
Entre as dicas para controlar os gastos com o aparelho, está a simples anotação, por um mês, do valor pago. Domingos ressalta que, na hora de escolher o melhor plano, vale considerar outros serviços, como o acesso à internet. “Hoje, há muitos aparelhos que dispõem dessa facilidade. Se para o consumidor esse canal bastar, então ele pode substituir o sinal de internet em casa pelo plano com telefone e pacote de dados”, pondera.
Outro erro comum, lembram os educadores financeiros, é misturar o telefone pessoal com o utilizado para o trabalho. É o caso do analista contábil Ayde Filho, 45 anos, que sofre para pagar as contas de dois celulares cadastrados em planos pós-pagos. Segundo ele, os gastos ultrapassam, todo mês, 20% do planejado. “Sempre pesa no orçamento e ainda não consegui controlar”, lamenta.
Para os consumidores que usam um único número nas ligações pessoais e profissionais, Reinaldo Domingos acrescenta que o gasto pode subir para até 15% do orçamento doméstico. “É uma situação diferente, na qual esse valor pode ser considerado como custo do negócio. De forma geral, o ideal é que cada um faça um diagnóstico detalhado de suas receitas e despesas, para definir um percentual adequado”, ensina.

A recomendação é seguida à risca pelo autônomo Rafael Fonseca, 33 anos. Ele se organiza para que as contas dos dois celulares não pesem no bolso. Apreciador de tecnologia, o último aparelho adquirido foi um smartphone com acesso rápido aos e-mails e à internet. “Não sou de gastar muito. A conta das duas linhas fica, no máximo, em R$ 180, valor que está de acordo com o que posso pagar”, afirma.
”O ideal é que o total de despesas com telefone celular fique entre 3% e 5% do orçamento”
Reinaldo Domingos, educador financeiro
R$ 152 milhões
Provisão da Vivo para possíveis calotes no terceiro trimestre de 2011.

Redação Minha Operadorahttps://plus.google.com/112581444411250449571
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários