quinta-feira, 23 de maio de 2013

WiFi onde? No táxi, no ônibus, no orelhão…

O que você achou? 
Depois dos cafés, shoppings, aeroportos, praças e estádios de futebol que sediarão os jogos da Copa do Mundo de 2014 e da Copa das Confederações no mês que vem, chegou a vez de táxis, ônibus e orelhões serem transformados em hotspots WiFi.

Em Florianópolis, a Oi instalou 30 telefones públicos que oferecem acesso gratuito e ilimitado à internet por tecnologia WiFi. O orelhão vira uma espécie de modem: é só usar o computador ou o smartphone perto dele e navegar na Web.

Pelo acordo da Oi com a prefeitura de Florianópolis, a operadora garante 15 minutos de acesso ininterrupto à internet, além de acesso ilimitado a sites do governo e da justiça (.gov e .jus) aos cidadãos. Em troca, fica com a receita de publicidade, parte da estratégia de rentabilizar os equipamentos urbanos, os quais é obrigada a instalar e manter em sua área de concessão de telefonia fixa.

A capital catarinense foi a primeira cidade do Brasil a contar com esse serviço, ainda em fase de teste. A intenção do governo é de que ele seja expandido até o fim deste ano para todas as sedes da Copa do Mundo de 2014. Para isso será necessário modificar o regulamento da Anatel que traz as regras de funcionamento dos terminais de uso público. De acordo com a norma vigente, os orelhões devem ter uso exclusivo para o tráfego de voz, o que impede o seu funcionamento como hotspot WiFi.

Quem também tem trabalhado na busca por soluções inovadoras para o antigo orelhão é um grupo de pesquisadores do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD). Além de contar com a possibilidade de oferecer conexão wi-fi à internet, o equipamento conta com uma tela que pode ser utilizada para realização de chamadas com vídeo e também para a exibição de propagandas, o que pode tornar o telefone público mais interessante e lucrativo. A exemplo do que já acontece nos orelhões, o pagamento das tarifas será realizado por meio de cartões embutidos.

Os novos equipamentos poderão ser móveis, o que facilitará a sua disponibilização em eventos esportivos e culturais, onde haja uma demanda temporária pelos serviços de telecomunicações, podendo, depois, serem transportados para outros locais. O projeto, que recebeu cerca de R$ 2,2 milhões do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel), está em fase de conclusão e o próximo passo será a transferência da tecnologia para o parceiro industrial.

No último fim de semana, em São Paulo, a prefeitura da cidade começou a testar um serviço de WiFi em 10 táxis escolhidos pelo Departamento de Transportes Públicos. A promessa é chegar a 500 veículos em 60 dias e 3,5 mil até a Copa de 2014, o equivalente a 10% da frota atual da cidade. O propósito é facilitar a vida dos turistas esperados para o evento.

Os passageiros poderão acessar a internet tanto em seus seus próprios computadores e dispositivos móveis (a senha dá direito a 15 minutos de acesso gratuito) quanto de tablets que serão instalados nos veículos pela empresa baiana Comtecno, que desde 2012 já fornece serviço semelhante nos táxis da Guarucoop, que atende o Aeroporto Internacional de Guarulhos.

A licitação feita pela Secretaria de Transportes e Trânsito da Prefeitura Municipal de Guarulhos, mediante convênio com o Ministério do Turismo, contemplou o fornecimento de diversas dados necessários para que o turista conheça a cidade de Guarulhos, tendo à sua disposição informações sobre onde ficar, onde comer, como chegar, pontos turísticos, canais de compras, notícias, esportes, turismo de negócios, serviços de utilidade pública e etc. Tudo isso por meio de software proprietário desenvolvido para a plataforma Android.

Os tablets instalados nos táxis da Guarucoop são da Samsung e contam com pacote de dados 3Gmax ilimitado da Claro, além de tradutor para vários idiomas, mapas com GPS, canal de comunicação com a Prefeitura Municipal de Guarulhos e pesquisa de avaliação e satisfação da estadia na região. Quem já usou, gostou.

O serviço foi instalado em 500 táxis (quase 70% da frota), entre agosto e setembro de 2012, ao custo de 1,3 milhão de reais, pagos pelo Ministério do Turismo, segundo a Secretaria de Transportes e Trânsito da Prefeitura Municipal de Guarulhos.

Já com a prefeitura de São Paulo o serviço faz parte de um projeto do Ministério do Esporte, que também credenciou a Comtecno para fornecer os aparelhos. O investimento na instalação dos tablets custa R$ 300 por táxi, mais R$ 280 por mês para pagar a conexão 3G. E os custos serão cobertos pela venda de patrocínios para empresas interessadas em anunciar suas marcas no programa instalado nos tablets., segundo informou à Folha de São Paulo um dos diretores da empresa, João Carlos Passos. Os primeiros tablets são do modelo Samsung Galaxy. Neles foram instalados aplicativos da Comtecno, da SPTuris (empresa de turismo da prefeitura) do UOL, além do Waze e do Google Tradutor, entre outros.

Em pouco tempo, os tablets devem ter ainda informações do trânsito em tempo real. As Secretarias de Transporte pretendem usar os aparelhos de GPS instalados na frota de táxis para monitorar o trânsito da cidade. A ideia é usar os dados para medir a velocidade média nas vias da cidade, em modelo semelhante ao que é feito com o GPS dos ônibus.

Aliás, a prefeitura de São Paulo também pretende oferecer acesso WiFi na frota de ônibus da capital paulista (14,9 mil veículos que transportam 9,8 milhões de passageiros por dia). O projeto-piloto está previsto para começar ainda este mês, já com conexão 4G.

O WiFi a bordo não é novidade nos coletivos interestaduais. Desde 2011 a companhia Planalto, no Rio Grande do Sul, oferece WiFi para os viajantes compartilhando o sinal da conexão 3g. Já a Auto Viação 1001 oferece o serviço nas viagens entre Rio de Janeiro e São Paulo. Com investimento de R$ 16 milhões, os novos carros vêm com a antena que capta o sinal via satélite e permite que passageiros possam adiantar compromissos profissionais, checar e-mails, etc. O mesmo acontece com a Expresso Brasileiro. Desde o fim de junho de 2012 29 veículos da frota que fazem a ponte Rio/São Paulo. A Viação São Raphael é outra que também tem o seu “Wi-Fi Bus”, serviço disponível nos ônibus leitos.

Em tempo: a Anatel incrementou o Fique Ligado e incluiu também um mapa dos pontos de acessos à internet sem fio disponíveis no país. O novo sistema, lançado no dia 14 de maio, mostra ao internauta o endereço desses pontos Wi-Fi, o tipo de estabelecimento em que estão instalados (se é um aeroporto ou um café, por exemplo) e se o acesso é gratuito ou pago. (Para saber mais sobre o Fique Ligado clique aqui).

Mas o serviço já nasce defasado. Ainda não inclui, por exemplo, a cobertura WiFi das companhias telefônicas. As operadoras pretendem usar estes pontos para escoamento do crescente tráfego de dados de smartphones e tablets, inclusive como apoio aos clientes de serviços 4G.

Atualmente, a Oi é a operadora com mais hotspots instalados no país, a rede lançada em novembro de 2012 já conta com mais de 80 mil pontos de acesso à internet em todo país. A meta é chegar a 500 mil hotspots até o final de 2013. Em julho, o serviço chega à capital paulista, começando pelas Avenidas Faria Lima e Dr. Cardoso de Melo, na Vila Olímpia.

Já a Claro, Embratel e NET lançaram no último dia 16 de maio o serviço de internet sem fio para os clientes das três empresas. Por meio da nova rede WiFi, batizada de Claro Wi-Fi Max eNET Vírtua WiFi, os assinantes poderão acessar mais de 6 mil hotspots em locais públicos, disponíveis nas cidades de Rio de Janeiro, São Paulo, Campinas, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Recife e Salvador.