sexta-feira, 3 de maio de 2013

Procon Fortaleza defende ação para melhoria da telefonia móvel

O que você achou? 
"A melhoria dos serviços de telefonia móvel foi um dos compromissos que o Brasil assumiu para sediar a Copa das Confederações e a Copa do Mundo da FIFA. Assim, as operadoras e a Anatel têm papel fundamental para alcançar esse beneficio". A afirmação é do coordenador geral do Procon Fortaleza, George Valentim, ao requerer mais ações para a melhoria da telefonia móvel em Fortaleza. 

A declaração aconteceu durante reunião de representantes de entidades de defesa do consumidor e de empresas de telefonia móvel, além de órgãos e secretarias diretamente ligados à organização da Copa das Confederações e Copa do Mundo, em audiência pública, realizada pela Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa.

A iniciativa, que aconteceu na última terça-feira (30/04) no Complexo de Comissões Deputado Aquiles Peres Mota, na Assembleia Legislativa, atendeu proposta do presidente da Comissão de Defesa do Consumidor, deputado estadual Fernando Hugo. O objetivo do encontro foi discutir as providências cabíveis para o melhoramento dos serviços efetuados pelas operadoras de telefonia celular no estado do Ceará durante a Copa das Confederações e, posteriormente na Copa do Mundo. 

Estiveram presentes ainda na audiência além do coordenador geral do Procon Fortaleza, George Valentim; secretário executivo em exercício do Decon-CE, João Gualberto Feitosa Soares; representante da Secretaria Especial da Copa de Fortaleza, Francisco Caminha; procurador de Justiça e coordenador do Desporto e Defesa do Torcedor, José Wilson Sales Júnior; representante da Secretaria de Turismo de Fortaleza, Paulo André Gomes; professor da Universidade Federal do Ceará, Rodrigo Porto Cavalcante.

Na ocasião, Sérgio Brasilis (TIM), Alessandro Pereira (Claro), Sérgio Falcão (Vivo) e Urbano Costa Lima (Oi) apresentaram os projetos das operadoras para garantir a melhoria da qualidade do serviço não apenas durante o período dos eventos, mas nas necessidades cotidianas dos usuários.