21/05/2022

Compra de US$ 44 bilhões do Twitter por Musk é contestada na justiça

Ação coletiva argumenta que Musk tinha acordos com outros grandes acionistas e, por isso, a compra não pode ser concluída.

Elon Musk e seu novo negócio, o Twitter, foram processados ​​nesta sexta-feira (06), por um fundo de pensão da Flórida que busca impedir Musk de concluir sua aquisição de US$ 44 bilhões da empresa de mídia social antes de 2025.

Foto: Reprodução Internet

Em uma ação coletiva proposta no Tribunal da Chancelaria de Delaware, o Orlando Police Pension Fund disse que a lei de Delaware proibia uma fusão rápida porque Musk tinha acordos com outros grandes acionistas do Twitter, incluindo seu consultor financeiro Morgan Stanley (MS.N) e o fundador do Twitter Jack Dorsey, para apoiar a compra.

O fundo disse que esses acordos fizeram de Musk, que detém 9,6% do Twitter, o “proprietário” efetivo de mais de 15% das ações da empresa. Ele disse que exigia adiar a fusão por três anos, a menos que dois terços das ações não “de propriedade” dele concedessem a aprovação.

Morgan Stanley detém cerca de 8,8% das ações do Twitter e Dorsey possui 2,4%.

Musk espera concluir sua aquisição de US$ 54,20 por ação no Twitter este ano, em uma das maiores aquisições alavancadas do mundo.

Ele também dirige a empresa de carros elétricos Tesla Inc (TSLA.O), lidera a The Boring Co e a SpaceX, e é a pessoa mais rica do mundo, de acordo com a revista Forbes.

O Twitter e seu conselho, incluindo Dorsey e o presidente-executivo Parag Agrawal, também foram apontados como réus.

O Twitter se recusou a comentar. Os advogados de Musk e do fundo da Flórida não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

O processo também busca declarar que os diretores do Twitter violaram seus deveres fiduciários e recuperar taxas e custos legais. Não deixou claro como os acionistas acreditavam que poderiam ser prejudicados se a fusão fosse concluída dentro do prazo.

Na quinta-feira, Musk disse que levantou cerca de US$ 7 bilhões, inclusive de fundos soberanos e amigos do Vale do Silício, para ajudar a financiar uma aquisição.

Musk não tinha financiamento quando anunciou planos de comprar o Twitter no mês passado.

Alguns dos novos investidores parecem compartilhar interesses com Musk, um autoproclamado absolutista da liberdade de expressão que pode mudar a forma como a empresa sediada em São Francisco modera o conteúdo.

O fundo de pensão estadual da Flórida também investe no Twitter, e o governador Ron DeSantis disse esta semana que poderia obter um lucro de US$ 15 milhões a US$ 20 milhões se Musk concluísse sua compra.

Nas negociações da tarde, as ações do Twitter caíram 60 centavos, a US$ 49,76.

Carolina Veneroso
Carolina Veneroso
Jornalista, formada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como repórter, redatora e com produção de conteúdo há 5 anos. Apaixonada por entrevistar e conhecer pessoas e novas histórias.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários