terça-feira, 1 de maio de 2018

Porta dos Fundos une atendentes da NET e da Vivo em vídeo de humor

O que você achou? 
Vídeo brinca com a insistência das operadoras em vender pacotes pelo telefone - e com a improvável saudade do cliente depois de contratar.


“Você ficou três meses me ligando todos os dias e eu meio que me acostumei com você (...)”. Parece até uma frase de amor, mas também poderia ser um consumidor falando com sua operadora através da central de vendas no telefone. Afinal, quantas ligações dessas não recebemos todas as semanas?

NET e Claro, Nextel, Oi, TIM e Vivo, as principais operadoras do Brasil, costumam ligar frequentemente para clientes próprios e das concorrentes para ofertar novos serviços, mesmo que o cliente já esteja satisfeito com o seu plano. É mais ou menos esse o gancho do vídeo “Saudade”, lançado pelo canal de humor Porta dos Fundos.





Claro, com um toque de exagero e comédia típicos do canal, que apesar de criar diálogos aparentemente absurdos, até que fazem sentido. No vídeo, o suposto cliente da NET também fala sobre a GVT e inclui a Vivo nos créditos finais. Assista:






LEIA TAMBÉM:

O vídeo fictício, que já tem 2 milhões de visualizações no YouTube, mostra um consumidor que recebeu tantas ligações da NET, sendo inclusive convencido de comprar o pacote de TV por assinatura, que até se apaixonou pela atendente da operadora. E ficou com saudade.

“Depois da contratação não tem por que ligar para o senhor”, diz a suposta atendente. Em resposta, ele questiona: “Entendi, não tem porque ligar. Eu fui só um número na tua meta, né, Lorena?”.

O último vídeo do canal relacionado às operadoras brinca justamente com o fato de que, até que haja uma contratação (ou um bloqueio no número), os atendentes dificilmente desistem de ligar. Seja para alcançar a meta na venda de combos ou para aumentar o número de clientes para as empresas de telecom.

Em uma matéria feita pelo Minha Operadora no ano passado, reunimos uma playlist com 10 vídeos do Porta dos Fundos sobre o setor de telecomunicações.


Um comentário: