Para bancar custos, orelhões podem passar a ter publicidade

Além de alguns já oferecerem WiFi, operadoras podem em breve inserir propagandas nas cabines ou até mesmo antes das ligações.

A Anatel está estudando soluções para salvar os telefones públicos brasileiros, popularmente conhecidos como ‘orelhões’. Segundo a Agência, a instalação e a manutenção dos aparelhos é responsabilidade das empresas de telefonia fixa. Contudo, com altos índices de vandalismo e um número cada vez menor de consumidores, as empresas alegam que não estão conseguindo bancar os custos dos serviços.

Nos últimos quatro anos, o uso dos orelhões da Oi, que possui cerca de 750 mil aparelhos instalados em todo o país, caiu pelo menos 40%. Para que os telefones públicos deixem de ser produtos dispendiosos, as operadoras solicitaram junto à Agência a autorização para explorar os espaços internos dos orelhões com publicidade.

Outra sugestão das operadoras é a inclusão de uma gravação publicitária nas ligações. Assim, enquanto espera completar a chamada, o consumidor ouviria uma propaganda por meio de uma mensagem gravada. Além disso, uma proposta polêmica pode colocar prazo de validade nos créditos de um cartão telefônico, a exemplo do que já acontece com os créditos para telefone celular.

O primeiro passo tomado pela Anatel, antes de analisar as propostas, será o de fazer um mapeamento de todos os telefones públicos existentes no país. Para isso, a Agência deve lançar um projeto chamado “Fique Ligado!”, uma espécie de ‘Google Maps’ dos orelhões, já no ar em fase de testes. O mapa indicará quais aparelhos estão funcionando e quais não estão. As informações serão fornecidas pelas operadoras e, caso o consumidor encontre algo diferente no mapa do que realmente acontece na realidade, poderá acionar os órgãos de defesa.

Com informações de Paraíba Total.
About Redação Minha Operadora
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários