quinta-feira, 12 de junho de 2014

Furto de cabos deixa clientes da Vivo sem serviço no RJ

O que você achou? 
Furto de cabos e/ou depredações do serviço de telefonia por desocupados prejudica ainda mais a população. Imagem meramente ilustrativa.


Grande parte das cidades brasileiras já apresentam sérios problemas no sinal de telefonia. Uma situação corriqueira que gera diversas reuniões entre governo e empresas de telecomunicações. Para complicar ainda mais a situação, vândalos que para achar o que fazer costumam depredar telefones públicos, centrais telefônicas e ou partir os cabos de comunicação. É o caso de um homem em Angra dos Reis (RJ). Ele furtou cabos da operadora Vivo, deixando usuários da empresa de telefonia sem poder efetuar ligações. A Polícia Militar foi chamada por moradores no local do roubo e logo foi averiguar o acontecido. O suspeito foi detido e encaminhado à 166ª DP na tarde de ontem.

Até então, o suspeito não falou nada em relação ao roubo aos policiais, apenas confirmou com a cabeça confirmando que ele tinha feito o ato. O mesmo chegando à delegacia não assumiu o crime e também não havia flagrante dele. Assim, o cidadão não ficou preso e logo foi liberado. Uma das testemunhas, que preferiu não se identificar, estava revoltada, pois sua mãe é doente e ela não pode ficar sem telefone.

“Este cidadão foi preso pela Polícia Militar depois de ter furtado os fios da empresa Vivo. O mesmo confessou o crime, mas não ficou preso, pois não havia flagrante. Graças a este marginal a rede se encontra em péssimas condições. Eu não sei aonde a gente vai parar”, indignou-se a moradora.

O sinal da companhia telefônica ainda não foi restabelecido, mas segundo a empresa, uma equipe de manutenção está trabalhando para resolver a situação.

“Não acredito. Trabalho com telefone e dependo disso para viver. Este sujeito não tem noção de como está atrapalhando o dia a dia de nós angrenses,” falou Simone Leite, que também testemunhou na hora que o cidadão foi encaminhado para a delegacia.

Com informações de A Voz da Cidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário