Para Embratel, nova regra não considera escassez de CSP

COMPARTILHAR:

Para a companhia, as novas regras definidas pela Anatel são contraditórias.
As novas regras para a expedição de autorização para prestar o Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) em regime privado estimulam a entrada de novos competidores, mas não levam em consideração o caráter escasso dos Códigos de Seleção de Prestadora (CSP). Ao menos essa é a opinião da Embratel apresentada na consulta pública sobre proposta de revisão do regulamento do STFC.

A Embratel encontrou uma contradição na proposta de regulamento em relação a uma outra regra editada em 2013. Na ocasião, diante da iminência de esgotamento dos CSPs, a agência estabeleceu que as prestadoras com menos de 50 mil assinantes poderiam adotar a marcação alternativa. Basicamente, os clientes dessas empresas teriam a opção de realizar chamadas LDN sem marcar o CSP. Assim, as pequenas empresas poderiam operar a Longa Distância sem o recurso do CSP, que é finito.

Para a Embratel, essa preocupação com o esgotamento dos CSPs não aparece na proposta em consulta. “Parece-nos, em primeira análise, que ocorre um certo conflito entre as disposições da Res. 607/2013 que criou incentivos para que pequenos prestadores não solicitem CSP, e esta CP 32/2014 que incentiva pequenos prestadores a solicitarem CSP, contribuindo para seu esgotamento, e, por muitas vezes, fazendo uso ineficiente deste recurso”.

“Entendemos que não devem ser adotados regramentos que possam incentivar o uso ineficiente do CSP e que levem ao seu esgotamento, pois, se este recurso se esgotar, as medidas a serem adotadas para sua solução podem levar a impactos gigantescos nesta Concessionária LDN / LDI”, prossegue a companhia.


De forma geral a proposta de regulamento visa simplificar a obtenção da autorização para a prestação do serviço. A área de abrangência do serviço, por exemplo, será simultaneamente para as Regiões I, II e III do Plano Geral de Outorgas (PGO), evitando-se com isso a solicitação de outorgas individuais para cada região. Além disso, uma prestadora poderá pedir outorga para a modalidade Longa Distância mesmo que não peça para modalidade Local.

Outra obrigação excluída foi de a empresa autorizada iniciar operações comerciais em até 12 meses. Pela regra proposta não há prazo para a entrada em operação, exceto, para os serviços que dependam de radiofrequência; neste caso o prazo é de 18 meses. A Embratel, sugere, contudo, que a Anatel dê um prazo de dois meses para a utilização do CSP. “Entendemos que, a exemplo do uso de rádio frequência, o CSP, que também é um recurso escasso, deve ter prazo máximo para sua utilização a partir de sua efetiva designação”, diz a companhia.

Por fim, só será obrigatória a submissão prévia à Anatel de alterações societárias que possam vir a caracterizar transferência de controle daquelas operações que, por força de lei, também devem ser analisadas pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Com informações de Teletime.
About Redação Minha Operadora
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários