InícioNotíciasPresidente da AG Telecom cobra do governo mais atenção ao setor

Presidente da AG Telecom cobra do governo mais atenção ao setor

Otávio Marquez de Azevedo, presidente da AG Telecom, que faz parte do bloco de controle da Oi, voltou a cobrar do governo uma política de incentivos ao setor, com redução de carga tributária sobre os serviços e vantagens regulatórias para proteger as operadoras da “perda de receitas”.

Segundo ele, isso é necessário porque o mercado de telecomunicações está passando por uma mudança de adequação econômica. Ou seja, as empresas estão perdendo receitas por conta da necessidade constante de investimentos em rede e do menor retorno com a venda de serviços, que ele considera incompatível com as dimensões do setor. “De tudo que é captado do cliente, 45% vai para imposto e o restante é distribuído para quem tem responsabilidade pelo acesso ou pelo conteúdo. O que sobra não é o suficiente para remunerar a rede”, disse.

Azevedo, que participa da Futurecom, no Rio de Janeiro, afirmou que é justamente por conta de uma necessidade econômica que as operadoras estão mais direcionadas a compartilhar infraestrutura. “É ganho para todo mundo”.

De maneira velada, o executivo também saiu em defesa das operadoras na queda de braços com entidades civis e públicas pela aprovação do Marco Civil da Internet. Na visão das operadoras, se a proposta que está em discussão na Câmara for aprovada como está, alguns modelos de negócios em discussão no setor podem ser inviabilizados. Entre os formatos de negócios mais prováveis está a possibilidade cobrança e atendimento diferenciado entre os clientes de uma mesma empresa. Perguntado sobre o assunto, Azevedo se recusou a comentá-lo diretamente. “Tem a ver com tudo isso aí, mas não quero me alongar nesta conversa”.

Para ele, no entanto, quem decide dividir os custos de construção e manutenção de redes pode encontrar pela frente outros entraves. “Nem sempre isto é possível. Tem várias questões regulatórias em cima disso. O Cade, por exemplo, analisa a competitividade e se o compartilhamento entre duas empresas não prejudica uma terceira”.

Na visão do presidente da AG Telecom, caso as operadoras fiquem privadas de adotar novos modelos de negócios, elas perderiam a capacidade de investimento num prazo de cinco anos. Ele lembrou também que, neste caso, a rentabilidade das operadoras pode ser afetada.

Redação Minha Operadorahttps://plus.google.com/112581444411250449571
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
CONTEUDO RELACIONADO
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários

MAIS POPULARES