Após repercussão negativa, WhatsApp lança campanha exaltando a privacidade

Facebook tenta diminuir o mal-estar em torno da polêmica mudança na política de privacidade do aplicativo de mensagens. Confira o vídeo.

Após repercussão negativa, WhatsApp lança campanha exaltando a privacidade

Após seis meses do anúncio da nova (e polêmica) política de privacidade do WhatsApp, o Facebook começou a veicular no Reino Unido e na Alemanha uma campanha publicitária para demonstrar que a empresa está preocupada com a privacidade dos usuários.

A ideia é que a ação seja veiculada em rádios, TVs e outdoors em todo o mundo nas próximas 15 semanas.

Ainda não há informações sobre a veiculação no Brasil, mas é provável que ela seja disponibilizada em breve, uma vez que o país é um dos principais mercados a utilizar o WhatsApp.

Em um filme de 30 segundos (disponível logo abaixo), sem nenhum diálogo, é apresentado um encontro duplo com um dos casais dominando a conversa.

VEJA TAMBÉM:

–> Alemanha pede suspensão da nova política de privacidade do WhatsApp

–> Índia encaminha pedido para que WhatsApp desista de nova política de privacidade

–> Defensoria Pública entra no jogo para impedir novas regras do WhatsApp

O vídeo termina com a frase (em inglês): “O que os uniu, com criptografia ponta a ponta, só eles sabem… Mensagem Privada”.

Outros dois filmes também devem explorar a questão da criptografia ponta a ponta, usando o humor para transmitir a mensagem de privacidade.

Em março, o WhatsApp já havia lançado uma campanha no Brasil contra o roubo de contas.

Nova política de privacidade

A alteração nas regras de privacidade do WhatsApp gerou uma polêmica mundial, levantando a preocupação sobre a segurança dos dados dos usuários do aplicativo de mensagens.

A empresa chegou a afirmar que limitaria e bloquearia aqueles usuários que não concordassem com a novidade.

A medida motivou reações de várias governos estrangeiros.

No Brasil, a entrada em vigor da nova política foi prorrogada duas vezes.

Agora, o novo prazo é previsto para 13 de agosto de 2021.

Até lá, o Facebook (proprietário do aplicativo) fará reuniões com representantes do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), do Ministério Público Federal (MPF), da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) e da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon).

Com informações de The Drum.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários