quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

GSMA: 5G pode gerar US$ 565 bilhões para o PIB mundial

O 5G em ondas milimétricas impulsionará o PIB mundial, entenda o por quê.


O desbloqueio do espectro para a indústria móvel para fornecer serviços 5G inovadores em diferentes setores da indústria poderia adicionar US$ 565 bilhões ao PIB mundial de 2020 a 2034, de acordo com um relatório divulgado pela GSMA.

O relatório “Benefícios socioeconômicos dos serviços 5G fornecidos em mmWave” é o primeiro a examinar e quantificar o impacto das ondas milimétricas na contribuição geral das redes 5G para a sociedade.

O espectro em mmWave terá os serviços 5G de maior capacidade. Ele possui as características ideais para suportar taxas de transferência de dados muito altas e recursos ultraconfiáveis de baixa latência, que suportarão novos casos de uso e proporcionarão as vantagens do 5G a consumidores e empresas do mundo inteiro.



"O ecossistema móvel global sabe como fazer o espectro funcionar para oferecer um futuro melhor", disse Brett Tarnutzer, Diretor de Espectro da GSMA. “As operadoras de telefonia móvel têm um histórico de transformar as atribuições de espectro em serviços que estão mudando a vida das pessoas. O planejamento é essencial para permitir o mais alto desempenho de 5G e o apoio do governo para faixas em ondas milimétricas para a indústria móvel na CMR-19 permitirá ofertas de serviços 5G de grande valor para seus cidadãos.”

Segundo o executivo, mais de 5 bilhões de pessoas já contam com o ecossistema móvel para fornecer serviços que são essenciais para seu dia a dia e fundamentais para a sustentabilidade econômica das comunidades onde vivem. “O 5G pode oferecer mais benefícios e uma nova gama de serviços para ainda mais pessoas, mas isso não será possível sem o acesso a este espectro vital”, completou.



A liderança inicial já estabelecida em 5G nas regiões da Ásia-Pacífico e Américas deverá gerar a maior parcela do PIB atribuída ao 5G em mmWave, em US$ 212 bilhões e US$ 190 bilhões, respectivamente. Prevê-se que a Europa tenha a maior percentagem de crescimento do PIB atribuível a mmWave que qualquer outra região, com 2,9%.

VIU ISSO?


No entanto, as vantagens não se restringem a mercados móveis de adoção precoce e, como o resto do mundo deverá implementar 5G nos anos subsequentes, as economias de escala derivadas da harmonização de espectro estimularão um crescimento ainda mais rápido. Regiões como a África subsaariana, a Ásia Central e a América Latina e Caribe poderiam ver um crescimento da contribuição do PIB das aplicações do 5G em mmWave de mais de 65% ao ano, de 2026 até 2034.

“É fundamental que os governos reconheçam a importância dos aspectos do 5G em mmWave ao tomar decisões na próxima CMR-19. Tomar decisões certas agora sobre espectro para 5G será vital para estimular o rápido crescimento das economias, especialmente nos mercados em desenvolvimento, na próxima década”, acrescentou Brett Tarnutzer, da GSMA. “Somente o espectro em mmWave tem a capacidade de suportar os serviços inovadores esperados e de alto desempenho do 5G, e apenas o ecossistema móvel possui o conhecimento técnico e histórico em colaboração para fornecê-los a um preço aceitável para consumidores e empresas no mundo todo.”

As novas faixas em mmWave para dispositivos móveis estão sendo discutidas na CMR-19 e a GSMA recomenda o apoio às faixas de 26 GHz, 40 GHz e 66-71 GHz para os serviços móveis. A harmonização global dessas faixas na CMR-19 criará as maiores economias de escala e tornará a banda larga mais acessível em todo o mundo. 

Fora do processo da CMR-19, 28 GHz também está emergindo como uma importante faixa em mmWave para tornar realidade a visão de velocidade ultra-alta para 5G. Serviços comerciais que usam essa faixa já foram lançados nos EUA e também serão adotados para 5G em países como Coreia do Sul, Japão, Índia e Canadá.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao deixar a sua opinião no Minha Operadora você concorda em respeitar o nosso Código de Conduta.