terça-feira, 24 de julho de 2018

61% dos domicílios brasileiros possuem acesso à internet

O que você achou? 
Estudo apontou que o celular é o principal dispositivo utilizado pelas pessoas para se conectarem.

No Brasil, 61% dos domicílios, em um total de 42,1 milhões, têm acesso à internet, segundo estudo realizado do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br).

A banda larga fixa voltou a crescer tanto na área urbana quanto na rural, após uma estagnação de dois anos. Contudo, na região Norte e nas classes sociais D e E, o acesso à internet ainda se dá por meio da banda larga móvel.



A TIC Domicílios 2017 entrevistou 23.592 domicílios em todo território nacional. O uso do telefone celular para acesso à Internet segue em crescimento, especialmente quando seu uso é de forma exclusiva. 

A pesquisa mostrou que do total de domicílios com acesso à internet, 64% o fazem por meio de conexão de banda larga fixa e 25% por conexão móvel via modem ou chip 3G ou 4G. 

Enquanto em 2015 e 2016, eram pouco mais de 23 milhões de lares com banda larga fixa, em 2017, o número aumentou 26,7%. 

Já conexão móvel teve um leve crescimento, passando de 9,3 milhões, em 2016, para 10,5 milhões de domicílios em 2017.

Além dos domicílios, o estudo levantou a proporção de usuários de internet no Brasil. Houve um forte crescimento nos últimos dez anos no número de pessoas usuárias de internet, saindo de 34% da população, em 2008, para 67%, em 2017. 

São 120,7 milhões de pessoas que usaram a internet pelo menos uma vez nos últimos três meses.

Por outro lado, o uso do computador para conectar-se à rede segue em declínio. Outro destaque é o televisor ganhando espaço para o acesso à Internet.

Para o Cetic.br, os pequenos e médios provedores tiveram papel fundamental no crescimento da banda larga no país. 

Isso ocorre porque eles levam acesso de excelente qualidade, por meio de fibra ótica, para locais em que os grandes prestadores não têm interesse em atender.

A pesquisa ainda observou uma redução nos preços da internet em locais onde há uma maior concorrência. 

Políticas públicas do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e regulação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) também foram apontadas como fatores que levaram ao crescimento das conexões nos domicílios. 

LEIA TAMBÉM:


Gargalos


Um grande gargalo ainda se encontra nas classes menos favorecidas e na região rural, ainda que os índices mostrem evolução ano após ano. 

Enquanto na classe A todos os domicílios contam com internet (99%), na D/E apenas 30% dos lares têm acesso. Na área urbana, o porcentual de 65% com acesso é quase que o dobro da área rural com 34%.

O preço ainda representa o principal motivo para a falta de conexão. Isto não é novo. Observando a série histórica, o motivo custo continua sendo a principal barreira, embora o valor tenha reduzido ao longo dos anos. 

Outro ponto a ser ressaltado é que a internet chega aos domicílios, mas o computador não. Cada vez mais é comum o acesso pelo aparelho celular, o que, na visão dos idealizadores do estudo, traz uma série de implicações. 

As habilidades tecnológicas e a capacidade de produzir conteúdo ficam reduzidas sem o acesso a computadores. 

Esse é outro motivo alegado pelos entrevistados para não ter conexão ou computador em casa. Muitas pessoas dizem que não sabem usar, principalmente a população mais idosa. 

Tipo de conexão


No quesito dispositivo usado para conexão, o celular domina: 96% dos usuários acessam à internet pelo telefone, enquanto 51% o fazem pelo computador, 22% pela televisão e 9% por aparelho de videogame.

Pela primeira vez, o porcentual de pessoas acessando à internet apenas pelo telefone celular (49%) passou o percentual daqueles que usam tanto o celular quanto o PC (47%). Os que usam apenas o computador somam apenas 4%. 

O uso de internet por aparelhos de televisão ganhou destaque e ocorre no bojo de lançamentos das TVs inteligentes que já vêm com diversos aplicativos instalados.

O estudo foi realizado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).


Um comentário:

  1. Lembrando que as conexões por celular, mesmo aumentando e substituindo em alguns casos PC e notebook, a maioria que usa celular e somente pras redes sociais, seja FC ou WhatsApp, quando e mais voltado pra trabalho, e o e mail ou rede social não e o suficiente, acaba precisando de um PC ou notebook, no meu caso acesso a internet pelo celular mais pelo Wifi de casa, raramente uso o 4G, e acesso também pela smart TV e PC, no caso do PC montei com o objetivo de jogar games, e o crescimento da internet e relativo, em SP capital em bairros mais carentes esquece melhorias em internet fixa, a Vivo não amplia a fibra, a NET o mesmo, só a Tim Live que esta expandindo o serviço mais pro lado da zona leste, porque chegou em SP somente em 2013, essa e a realidade atual.

    ResponderExcluir