quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Algar Telecom cria projeto para ajudar a encontrar desaparecidos

O que você achou? 
Clientes da Algar que digitarem errado algum site na busca da internet serão direcionados para a página do “Links Perdidos”. Conheça a iniciativa!

A operadora Algar Telecom lançou, recentemente, um projeto que busca auxiliar a procura de pessoas desaparecidas. Com o projeto “Links Perdidos”, em parceria com a ONG “Mães da Sé”, clientes da Algar que digitarem algum site incorretamente na busca de internet serão sempre redirecionados para uma página com fotos de pessoas desaparecidas.

O site www.linksperdidos.com.br pode ser acessado por qualquer pessoa, independentemente da operadora. A diferença é que clientes da Algar Telecom, localizados em mais de 300 cidades das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul, além do Distrito Federal, ao invés de se depararem com páginas de erros na internet, que são acessadas pelo menos 6 milhões de vezes por mês, passam a ser incentivados a conhecer o projeto.


Para que toda a sociedade fosse incentivada a participar, a ação foi fortalecida com o lançamento durante a partida do time paulista de futebol Santos FC, cuja patrocinadora é a Algar, e que aconteceu no dia 8 de novembro, contra o Vasco. Todos os jogadores tiveram o endereço do site estampado em suas camisas.

Desaparecidos no Brasil

Você sabia que, a cada hora, pelo menos oito pessoas desaparecem no Brasil? O estudo é do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que registrou quase 700 mil desaparecimentos nos últimos 10 anos.

O projeto Links Perdidos quer contribuir para que as famílias possam ter um final feliz e reencontrarem os parentes perdidos com o aviso dos brasileiros, sejam eles clientes da Algar Telecom ou não, mas que possam apoiar a causa e ajudar quando possível.

De acordo com a Eliane Garcia Melgaço, vice-presidente de Gente do grupo Algar, a iniciativa procura estimular a empatia das pessoas. “O ‘Links Perdidos’ tem tudo a ver com nosso jeito de ser. Nós genuinamente acreditamos que reconectar pessoas desaparecidas é mais uma forma de cumprir nosso propósito de servir a comunidade”, diz.

A ONG Mães da Sé, que desde 1996 trabalha na busca de crianças desaparecidas, teve 10 mil casos cadastrados, dos quais 42% foram solucionados. “É como se fosse uma luz no fim do túnel para mães que, como eu, procuram seus filhos. Quanto mais parcerias firmarmos, mais chances teremos de ajudar as famílias. Se a gente encontrar pelo menos uma pessoa através dessa ação, já valeu a pena”, conclui Ivanise Esperidião, fundadora e presidente da organização.

LEIA TAMBÉM:


Nenhum comentário:

Postar um comentário