quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Veek passa a funcionar em mais oito DDDs do Brasil

O que você achou? 
Operadora, que cobra tarifa única de R$ 0,20, pede calma de interessados na rede e diz estar chegando aos poucos. Veja se está disponível em sua região.

Em julho, foram lançados oficialmente os serviços da Veek, operadora móvel virtual (MNVO) que utiliza a rede da TIM para funcionar. Três meses depois de muitas reclamações, principalmente relacionadas à indisponibilidade da nova operadora pelo Brasil – uma vez que teve início somente em São Paulo, DDD 11, e já disponível no 21 –, a Veek anuncia, nesta quinta-feira (26), sua chegada nos DDDs 13, 14, 16, 19, 31, 33, 35 e 61.

A novidade foi divulgada pelo Facebook da empresa, que se comunica de forma moderna para conquistar clientes. Na rede social, sempre utiliza gírias, memes, hashtags, GIFs e mensagens com toque mais divertido para falar com os usuários. Para ter uma ideia, a imagem da capa diz: “Plano de celular enfiado guela abaixo? Chupa! Aqui é desoperadora. Aqui é Veek”.

O termo “desoperadora” é usado pela Veek para se diferenciar das outras operadoras, uma vez que tem atendimento 100% digital e evita as filas de espera em atendimento de lojas, por exemplo, e defende a ideia de que cada um só paga o que realmente usar. Mas, ao contrário do que todos esperavam, seus benefícios não foram tão surpreendentes assim e acabaram decepcionando logo de início. O que ela oferece? Um modelo único de tarifa, no valor de R$ 0,20: seja para minuto de voz (para todo o Brasil), 10MB de dados ou SMS.

Apesar de não oferecer planos, a Veek garante uso do WhatsApp grátis para seus clientes e também tem um aplicativo de autoatendimento, onde o cliente pode consultar seu consumo e tirar dúvidas. O chip custa R$ 20 – R$ 10 para serem usados como recarga após a ativação – e a primeira recarga deve obrigatoriamente ser de R$ 30,00.

Questionada sobre o lançamento em outras regiões do Brasil, a Veek pede paciência de seus ‘seguidores’ e diz estar expandindo o serviço gradualmente.

DESBRAVADORES/VEEKER

Para ativar a linha, além de comprar o chip, é necessário informar um “#VeekCode”. Esse VeekCode, por sua vez, é informado por clientes que já usam a rede, carregam pelo menos R$ 40 mensais e a indicam para outras pessoas: é o chamado Veeker. Quando o ‘convite’ é aceito e o novo cliente passa a se conectar à Veek, quem indica recebe uma bonificação de R$ 5, que também acontece após a recarga. 

É por isso que os desbravadores, como também são conhecidos, passam a enviar inúmeras mensagens com o VeekCode em grupos de telecomunicações e nas redes sociais para ganhar créditos de qualquer maneira. 

O que muitos se perguntam, no entanto, é por que há desbravadores inclusive onde não há Veek? No DDD 85, por exemplo, é comum ver a atuação de Veekers, embora a operadora ainda não funcione. A resposta da empresa? Que está “chegando aos poucos em todo o Brasil” e que, enquanto não libera em determinado DDD, ainda assim os desbravadores vão divulgando e montando a rede para quando ela decidir aparecer por ali.

LEIA TAMBÉM:


10 comentários:

  1. Ela usa algum sinal de alguma operadora?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lixooooo!
      Fez tanto mistério para nascer, q já está ultrapassada. Terá q rever seu conceito para concorrer com a Claro.
      Já nasceu morta, só um tonto pode querer ser cliente dessa bosta.

      Excluir
  3. Isso é uma tremenda de uma pirâmide financeira disfarçada, as pessoas começarão a entrar não pelo produto em si ( que é ruim) mas para lucrar com as premiações de venda e o produto é tão ruim que somente os próprios vendedores é que compram e quem comprar vai levar prejuízo se não aceitar entrar para o exército de zumbis recrutadores, os proprietários dessa porcaria ganharão "rios de dinheiro" por conseguir vender um produto muito ruim através da forçação de barra dos recrutadores e quando a pirâmide implodir (isto é, faltar gente pra ser potencial recrutador) a "empresa" fechará as portas porque somente pelo produto em si ninguém irá ficar com o chip, enquanto isso não acontece os proprietários vão negar até a morte que se trata de pirâmide argumentando que eles tem um "produto" e por isso não se pode chamar o esquema de pirâmide, aquele mesmo papo de estelionatários vendendo perfumes de quinta categoria da Hinode a preço de perfume de primeira para os recrutadores e não muito diferente também da extinta pirâmide da Telexfree.

    ResponderExcluir