terça-feira, 17 de outubro de 2017

Pesquisadores querem usar antenas suspensas para uso do 5G

O que você achou? 
Nova tecnologia serviria para evitar a queda de sinal do 5G, que é muito mais provável do que no 4G, além de diminuir custo e tempo de infraestrutura.

Ainda faltam uns anos para a quinta geração da comunicação móvel, o famoso 5G, chegar aos usuários de telecomunicações, independentemente de onde estejam no globo. Mas nem por isso as pesquisas deixam de acontecer. Nos Estados Unidos, na Ohio State University, pesquisadores estão trabalhando em “antenas suspensas”, que poderiam facilitar a chegada da tecnologia.


Além de utilizar as ondas milimétricas, já usadas na rede 5G, eles decidiram fazer com que as antenas “pairassem” para transmitir dados de alta velocidade em altas frequências, de forma que auxiliaria tanto para evitar interrupções de sinal, quanto para criar infraestrutura mais rápida e, também, no custo, já que seria uma tecnologia mais econômica.

Conforme explicaram os pesquisadores em comunicado de imprensa, apesar da maior quantidade de dados, o sinal do 5G certamente será mais sensível e suscetível a quedas do que o 4G, que usamos atualmente. "Hoje em dia, usamos celulares para todos os tipos de comunicação sem fio para transmissão de voz e vídeo, e há uma necessidade maior a cada ano. Todos os anos precisamos de muito mais sinal para enviar e receber mais dados. Estamos tentando alcançar uma frequência 50 vezes maior para alcançarmos uma banda larga 50 vezes maior. Então, a ideia é criar dispositivos que transmitam e recebam dados nessas frequências mais altas”, disse a professora Nima Ghalichechian.

É por isso que até mesmo a impressão 3D desse tipo de nova antena está sendo trabalhada, com o intuito de encontrar um material que auxilie na propagação de ondas sem resistência.

Ainda não há muitos detalhes sobre o funcionamento dessas antenas suspensas, mas talvez elas possam ser uma alternativa no futuro em relação às antenas de telefonia atuais, que fariam a construção de redes 5G ser muito mais cara.

LEIA TAMBÉM:


Nenhum comentário:

Postar um comentário