quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Amazônia Conectada ainda não interligou provedores regionais

O que você achou? 
Provedores locais ainda esperam a liberação do Exército para usufruir da infraestrutura do trecho que liga Coari-Tefé a Manaus.

O "Programa Amazônia Conectada" foi criado em 2015 com o objetivo de expandir a infraestrutura da banda larga na região Norte do Brasil. O projeto é de responsabilidade do Ministério da Defesa, que coordena as ações junto com o Comitê Gestor, composto pelo Comando do Exército; pela Secretária-geral do Ministério da Defesa; por representantes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC); e pela Telebras.

O Exército implantou o projeto Infovias, instalando fibra óptica subfluvial nos leitos dos rios da região Amazônica. Até agora, três fases do projeto já saíram do papel. O primeiro trecho foi finalizado em abril do ano passado e liga as cidades de Coari e Tefé.

Porém, mesmo após mais de um ano da entrega do trecho, a estrutura está sendo explorada por apenas uma empresa, a AMNet, e os demais provedores de internet da região ainda não podem usufruir da nova rede por conta da conexão com Manaus ainda estar indisponível.

O Exército afirma que o lançamento dos cabos subfluviais no trecho entre Manaus e Coari, cerca de 470 km, foi finalizada em maio deste ano. A estrutura permite a ligação de Manaus a Tefé, no leito do Rio Solimões, e a ligação entre Manaus e Novo Airão, no leito do Rio Negro.

Em relação ao uso da infraestrutura pelos provedores regionais, a assessoria de imprensa do Exército informou que a solução está em período de experiência para testar a qualidade da conexão e a capacidade de tráfego, sem previsão para conclusão dessa etapa.

A AMNet, única empresa que pode usufruir do trecho, já opera na rota Manaus-Coari há quatro anos. O diretor da empresa, Michel de Lima Feitosa, afirma que a provedora tem capacidade de 900 Megas em rádio e com rede do Amazônia Conectada, é possível passar de 2 Gigas de velocidade, o que diminui os custos de manutenção e torna o serviço mais barato.

LEIA TAMBÉM:


Nenhum comentário:

Postar um comentário