quinta-feira, 1 de junho de 2017

Anatel prorroga prazo para regulamento de acessibilidade

O que você achou? 
Dificuldade de implantação das regras é um dos motivos para adiamento.


Com um novo prazo que pode variar de seis até 18 meses para ser cumprido, a Anatel dá mais tempo para as operadoras ficarem em ordem com o RGA (Regulamento Geral de Acessibilidade), alegando que é preciso mais tempo para implanta-lo, diante de dificuldades técnicas e operacionais.

O regulamento prevê que todas as empresas de telefonia disponibilizem uma série de serviços para facilitar a acessibilidade quando o cliente necessitar entrar em contato com a operadora. Alguns desses serviços são:

  1. Atendimento especializado que permita uma melhor interação entre pessoas portadoras de deficiência auditiva quando adentrarem estabelecimentos físicos, com funcionários treinados para esse tipo de atendimento.
  2. Ter em sua página na internet, além de todos os outros canais de atendimento, informações precisas de fácil compreensão sobre os serviços dessa natureza que estão disponíveis e como solicitá-los.
  3. Integrar no canal de atendimento remoto via internet mecanismos de interação que vão desde mensagens eletrônicas, vídeo chamadas, entre outros, e que esses sejam feitos por profissionais qualificados para tal.

O prazo é longo, mas o interesse em oferecer todos os serviços que portadores de deficiência necessitam é um assunto inadiável, uma vez que as complicações para conseguir uma simples informação para uma pessoa com necessidades especiais são enormes e, em alguns casos, poucas operadoras estão minimamente preparadas para lidar com essa situação.


LEIA TAMBÉM:

Um comentário:

  1. Retirado do Manual de Redação Mídia Inclusiva da ALRS:Os termos portador de deficiência, portador de necessidades
    especiais (PNE) e pessoa portadora de deficiência (PPD) não são os mais
    adequados. No lugar deles, recomenda-se usar "pessoa com deficiência" ou
    "PcD". A sigla PcD é invariável. Por exemplo: a PcD, as PcD, da PcD, das
    PcD. Devemos, porém, evitar o uso de siglas para nos referirmos a seres
    humanos. Também ao desdobrar a sigla, tenha cuidado com o plural:
    pessoas com deficiência (e não pessoas com deficiências) – a não ser que
    elas tenham, de fato, múltipla deficiência).

    ResponderExcluir