segunda-feira, 29 de maio de 2017

Celso Russomanno critica proibição de franquia na internet fixa

O que você achou? 
Deputado diz que projeto “engessa o setor de telecomunicações” e propõe acordo para que plano limitado exista.


Quem pensou que a discussão sobre a cobrança de franquias na internet fixa havia acabado se enganou. Recapitulando: em abril do ano passado, as operadoras passaram a cobrar franquias pela internet fixa, e só pararam depois que a Anatel suspendeu essa limitação. Neste ano, o Senado aprovou um projeto de lei que proíbe as operadoras de estabelecerem franquias de dados nos serviços de banda larga fixa. Mas parece que nem todos são a favor...

De acordo com o Teletime, o deputado Celso Russomanno (PRB) afirmou que o projeto “engessa o setor de telecomunicações”. Para ele, os planos de franquia de internet poderiam existir se as empresas de telecomunicações oferecerem um serviço de qualidade. Se o projeto passar por aprovação, Russomanno acredita que os usuários é que sairão prejudicados, uma vez que as operadoras podem passar a reduzir investimentos.

O político quer um acordo com as operadoras de internet. Segundo sua proposta, elas deveriam separar planos para “pessoa física” e “pessoa jurídica”, garantindo planos ilimitados somente para o primeiro grupo. Porém, os chamados heavy users – gamers, pessoas que consomem muita internet ou aquelas que a utilizam para o trabalho – fariam parte do grupo de “pessoa jurídica”. Ou seja, com planos limitados.

No ano passado, uma enquete realizada pelo Senado revelou que 99% dos consumidores são contra limite na internet fixa. Segundo o relator do PL nº 7182/2017, Rodrigo Martins (PSB), esse projeto de lei que proíbe o uso de franquia na internet fixa está próximo de uma aprovação, faltando apenas a tramitação em regime de urgência, que deverá ocorrer no mês que vem.

Divergência de opiniões

Os representantes das prestadoras defenderam, em audiência pública realizada na última terça-feira (23), a possibilidade de negociar sobre essa proposta, caso seja apresentada. Fábio Andrade, diretor de relações institucionais do grupo América Móvil (Claro/NET/Embratel), disse que há vários países que funcionam com os dois modelos de planos, oferecendo benefícios para os consumidores. "Toda vez que o Brasil quer inventar a roda, vamos pelo lado errado, especialmente no segmento de alta tecnologia", diz.

Para o diretor de banda larga da Sky, Edison Kinoshita, a capacidade de consumo tem relação direta com a quantidade de acesso. “Quanto mais controlamos a franquia, mais consumidores terão acesso”. Já o diretor de assuntos regulatórios da Oi, Carlos Eduardo Medeiro, expôs sua opinião a favor da coexistência entre planos, mas é contra os planos ilimitados, que só beneficiariam os usuários intensivos.

A Proteste também teve um representante que comentou sobre o assunto. Henrique Lian disse que limitar a franquia de dados na banda larga fixa é triplamente ilegal, uma vez que é um serviço essencial, artigo do Marco Civil da Internet, e que, dessa forma, cortar a internet por motivo que não seja a inadimplência e neutralidade de rede é inconstitucional.

LEIA TAMBÉM:


7 comentários:

  1. Lá vem esse deputado de araque defender as teles. Tiveram perdão de mais de 20 bilhões de reais em dívidas que deveria ser revertido em investimentos. Cadê esses investimentos/ampliação da rede???

    Até parece que limitando a banda larga irão abaixar o preço e melhorar os serviços.

    Deve ser que já recebeu propina ou tem algum rabo preso.

    ResponderExcluir
  2. Vagabundo, maldito, Deve estar embolsando uma boa grama....

    ResponderExcluir
  3. Cabra safado até mês passado estava nos defendendo, agora, estranhamente está do lado das operadoras. Safado.

    ResponderExcluir
  4. Nossa incrível isso por que sera que eles não se reunir e abaixei o salário deles ja seria uma grande economia✌

    ResponderExcluir
  5. Sou contrário a por franquia na rede fixa, porém eu sou totalmente a favor de deixar as operadoras livres para decidirem qual a sua estratégia. Regulamentação só piora tudo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Livre sim, se o mercado fosse livre e aberto também. Do jeito que está, engessado com pouca concorrência, tem que regular mesmo e impor mas regras

      Excluir
    2. Regulamentação só faz com que o monopólio aumente para as empresas "amigas" do governo....

      Excluir