quarta-feira, 27 de julho de 2016

Correios param de enviar faturas da Oi após dívida de R$ 24 milhões

O que você achou? 
Operadora foi à Justiça para obrigar os Correios a continuarem enviando suas correspondências. Com raiva, Oi diz que vai diminuir contas impressas no país.



A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos suspendeu a entrega de correspondências da Oi por causa de dívidas ainda não pagas pela operadora. O serviço de atendimento presencial da Oi, que funciona em milhares de agências dos Correios espalhadas pelo país, também foi afetado com a decisão dos Correios de romper o contrato com a empresa de telefonia. A Oi possui cerca de R$ 24 milhões em débitos não pagos com a empresa estatal.

Assim que soube da decisão dos Correios, a Oi reclamou na Justiça, visto que diz estar acobertada e não pode sofrer nenhuma cobrança de credores pelo período de 180 dias. Reforçou ainda que o serviço prestado pelos Correios é fundamental para a operação logística da companhia.

O juiz Fernando Viana, responsável pelo pedido de recuperação judicial da Oi, ordenou que os Correios voltem a prestar todos os serviços para a operadora. Caso não obedeça, os Correios é que vão fazer dívidas: R$ 1 milhão por dia de descumprimento da ordem.

Depois da decisão a seu favor, a Oi anunciou que vai prorrogar a data de vencimento das faturas dos clientes que tiverem atraso na entrega das suas contas, para obedecer ao prazo de "cinco dias entre o recebimento e o vencimento da conta", conforme estabelecido em lei.

Na tarde desta quarta-feira, 27, a Oi enviou para a imprensa um release em que diz estar recomendando a todos os clientes que acessem o portal de relacionamento digital "Minha Oi" para ter acesso fácil a faturas, pagamento de contas e até efetuar recargas. Segundo a Oi, aproximadamente 7 milhões de clientes utilizam a página de atendimento pelo computador, celular e aplicativos móveis, o que correspondente a 47% da sua demanda de atendimentos mensal. A operadora afirma que vai realizar esforços para diminuir o número de correspondências impressas no Brasil.

Leia também:


Nenhum comentário:

Postar um comentário