domingo, 15 de novembro de 2015

Operadoras perdem mais de 4 milhões de clientes no móvel

O que você achou? 
Dados mais recentes do setor de telefonia celular mostram que está caindo o número de chips ativos no Brasil.



4,27 milhões de linhas desativadas - este foi o número total que as quatro principais operadoras de telefonia móvel do Brasil deixaram escapar das suas bases de acessos durante o mês de setembro de 2015. É uma das maiores quedas do setor já vista nos últimos tempos, que vinha crescendo constantemente até maio deste ano. As informações foram divulgadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

A Vivo foi a principal responsável pelo número de terminais desativados. Do total de linhas canceladas informado acima, a Vivo teve um impacto negativo de -2,01 milhões. A Claro foi a segunda empresa com mais perdas de acessos, contabilizando -856,4 mil. TIM (-815,3 mil) e Oi (-584,8 mil), completaram o ranking das perdedoras.

Frente a um desempenho mais uma vez sofrível das suas rivais, a Nextel pode se sentir aliviada quanto ao comportamento dos seus clientes. A operadora norte-americana registrou, no Brasil, aumento de 126,6 mil assinantes. A Algar Telecom, que possui operações em algumas cidades de seis estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país, também não perdeu ninguém em setembro. Pelo contrário, a Algar registrou saldo positivo de mais 4 mil clientes.
Nos últimos sete meses do ano (março à setembro), a base de clientes de telefonia celular afundou -7,51 milhões. Analistas do setor de telecom estimam que o quadro decrescente das linhas móveis ativas no Brasil é fruto do abandono de um segundo ou terceiro chip por parte dos consumidores. Antes, o cliente precisavam de vários chips para poder se comunicar com todos os seus amigos e familiares a uma tarifa que lhe coubesse no bolso.

Hoje, com o advento de aplicativos de comunicação, como o WhatsApp, as pessoas passaram a se comunicar normalmente pela internet com pessoas de operadoras diferentes. A chegada de ofertas como as criadas pelas operadoras Oi e TIM, que permitem ao consumidor falar com tarifa reduzida com usuários de outras empresas de celular, também devem contribuir com uma queda ainda maior no número de telefones móveis ativos, principalmente a partir do mês de novembro. As próprias operadoras, nas campanhas publicitárias de suas novas promoções, estão incentivando o brasileiro a abandonar o uso do segundo chip e concentrar o uso dos serviços de comunicação num chip só.

No total geral do mercado de celular do Brasil, a Vivo permanece na liderança isolada, com 79,41 milhões de terminais em serviço (28,78%). A TIM é a segunda colocada, com 72,57 milhões de linhas ativas (26,31%). A Claro possui 70,35 milhões de clientes (25,50%), e é a terceira maior operadora móvel do país. A Oi registrou 49,46 milhões de usuários sob o seu controle (17,93% do mercado), e está no quarto lugar. Nextel (2,37 milhões) e Algar Telecom (1,28 milhão) fecham o ranking das maiores teles móveis daqui. Elas possuem 0,86% e 0,47% de fatia de mercado, respectivamente.

O mercado brasileiro de telefonia móvel possui 275,89 milhões de linhas ativas no total, sendo 203,56 milhões (73,78%) delas cadastradas em planos pré-pagos, e 72,33 milhões (26,22%) em planos pós-pagos.

Utilizando as métricas para cálculo de densidade demográfica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país possuía em setembro 134,75 chips de celular em funcionamento para cada 100 habitantes. A região Centro-Oeste é que possui a maior penetração (154,33), seguida da Sudeste (143,02), Sul (136,77), Nordeste (122,4) e Norte (113,41).

Mais dados de setembro:


4 comentários:

  1. E a Vivo vão continuar perdendo, seguido das outras se não melhorarem esses planos de internet, que se paga caro por pouco. Deveria ser pelo menos 1 GB semanal por 10 reais.

    ResponderExcluir
  2. O centro-oeste tem essa concentração toda de números de chips simplesmente porque no centro-oeste, há uma grande concentração pequenos municípios onde só há apenas uma operadora em operação, para não ficar sem comunicação é necessário carregar vários chips. Andar entre esses municípios tem que ter vários chips mesmo, praticamente cada cidade tem uma operadora diferente umas das outras, se não quiser ficar mudo entre as circunvizinhança é preciso vários chips.

    ResponderExcluir
  3. Segundo informações preliminares do site Teleco, em outubro os desligamos chegaram a 3 milhões dessa vez com a Claro perdendo cerca de 1.400.000 linhas. Pelo jeito os mexicanos e espanhóis ainda não entenderam o recado do mercado. Isso já não é limpeza de base. É abandono de chip secundário. E Vivo e Claro parecem ser a bola da vez.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir