segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Faturamento com voz não é mais o principal das teles

O que você achou? 
O crescimento da comunicação por mensagem de texto e a queda na tarifa das ligações tem impactando na receita das operadoras com ligações.

Dados analisados pela consultoria em telecomunicações Teleco revelam que o serviço de ligações já não é mais o principal produto do setor de telecom no Brasil em termos de faturamento. Esse tipo de receita - tanto no fixo, quanto no móvel, somadas - renderam R$ 32 bilhões as empresas de telefonia. Em contrapartida, o serviço de dados e TV por assinatura contribuiu com R$ 33,6 bilhões. Os dados são referentes ao primeiro semestre (janeiro-junho) de 2015.

O faturamento de voz no sistema fixo teve uma queda de 3%. Já no móvel, o déficit foi mais acentuado (-10%). Isso pode ser explicado pela crescente comunicação por meio de mensagens e a diminuição na tarifa de interconexão (quando um usuário liga para um cliente de outra operadora). A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), ordenou uma diminuição gradativa no valor que cada empresa deve pagar à sua concorrente quando utilizar sua rede.


Apesar de ter sido ultrapassada pela soma de outros serviços, a receita com voz no celular continua sendo de extrema importância para as operadoras, representando 29% de seus faturamentos totais. Voz Fixa representa 20%; Banda Larga Fixa (18%); Internet Móvel (17%) e TV Paga (16%). Para ter uma ideia do que isso significa, veja a imagem do gráfico abaixo:



No setor de telefonia fixa, a banda larga já domina desde 2013. Os usuários passaram a adquirir as linhas fixas não para falar, mas apenas para servir como um ponto de acesso à internet e TV por Assinatura. Para ser mais preciso, esses dois serviços já representam, em 2015, 69% do faturamento total do segmento.

Já o celular ainda é mais utilizado para efetuar chamadas, mas, ainda segundo a Teleco, isso está mudando, tendo em visto que os gastos com acesso à rede de internet móvel já correspondia a 38% do que as telefônicas arrecadavam em receita (dinheiro).


Leia também:

Um comentário:

  1. Essa é a tendência! Tudo vai girar em torno da Banda Larga, não tem jeito, nem como fugir! As operadoras precisam se adequar e investir em Banda Larga, a Anatel precisa levantar a bunda da cadeira, se reinventar e antecipar a essa situação, precisam fazer o 3G funcionar como 3G e já está de bom tamanho inicialmente, e nada mais do que já é amplamente divulgado pelas operadoras, que sabemos não funcionar muito bem...

    ResponderExcluir