domingo, 20 de setembro de 2015

Casal gay acusa técnico da GVT de preconceito no Recife

O que você achou? 
Dois empresários homossexuais, juntos desde o início de 2015, tiveram o nome de acesso à rede WiFi da loja que administram para "Viadao".

Os empresários Giorgio da Silva, 35 anos de idade, e Rodrigo Vilar, 38, foram vítimas de preconceito baseado na orientação sexual de ambos. Casados, e proprietários de um estabelecimento num bairro nobre da capital de Pernambuco, Recife, os dois precisaram de um reparo no telefone e internet banda larga da GVT, que haviam parado de funcionar. Foi aí que tudo começou.

Na tarde desta sexta-feira (18), a empresa de telefonia enviou um técnico de campo para analisar e solucionar o problema enfrentando pelos clientes. Após ter realizado o reparo, o serviço voltou a funcionar e o empregado foi embora. "Ele estava o tempo todo no celular com alguém e não falou nada. Só ao sair disse que estava tudo ok".

Alguns clientes da loja dos empresários estavam com dificuldade para encontrar o nome da rede Wi-Fi do local, chamada de "Provanza". Giorgio e Rodrigo foram tentar encontrar o sinal, já que percebiam que a rede do computador principal da empresa estava funcionando normalmente. Rodrigo chegou a comentar com uma cliente que uma rede chamada "VIADAO" (em caixa alta mesmo), estava com um sinal bem forte dentro do local. Intrigado, informou a senha padrão da Provanza - que é a data em que ele e seu esposo se conheceram - e a conexão foi estabelecida.

O casal relata que se sentiram muito constrangidos com o ocorrido, não por dizer que ambos são homossexuais - já que a maioria dos clientes e amigos já sabem da vida dos dois - mas pela forma pejorativa como foram chamados. "A gente se trata por 'amor' e ele [o técnico] pode ter ouvido isso [...] Imagina se chega um cliente e pergunta 'amigo, qual é a wifi daqui?' e a gente responde 'viadão'? Outros gays poderiam pensar que a gente estava tirando onda e a gente não quer isso. As pessoas não podem brincar dessa forma com as outras."
 
Eles ligaram logo em seguida para a Central de Atendimento da GVT, que passou as instruções de como reverter a situação.


As vítimas procuraram a delegacia após o expediente da loja para registrar um boletim de ocorrência sobre o ocorrido, mas o local estava fora do horário de funcionamento. Agora o casal promete procurar a Justiça no decorrer desta semana para exigir mais respeito, o advogado eles já tem. A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) também foi informada do caso, e deve solicitar esclarecimentos da companhia.

A falta de profissionalismo do técnico empregado da GVT foi amplamente divulgada na mídia local de Pernambuco e também na nacional. A Telefônica/Vivo, controladora dos serviços prestados pela GVT, teve que vir a público informar que:

"Repudia totalmente a atitude descrita pelos clientes e que está apurando o caso com rigor. A Vivo disse ainda que se for constatada a conduta irregular do técnico, que é totalmente conflitante com a orientação da companhia, tomará medidas administrativas rigorosas, e reforçará ações de orientação para evitar que situações desse tipo voltem a ocorrer."

Imagens gravadas pelo circuito interno de câmeras da loja de chás Provanza, de Rodrigo e Georgio, mostram o momento em que o técnico responsável por cumprir a ordem de serviço aberta pelos empresários. As imagens podem ser vistas ao assistir abaixo a reportagem produzida pela Rede Globo no Recife, que deu início a denúncia.


Leia também:

10 comentários:

  1. Respostas
    1. Inveja de quem? Do técnico ou dos queima-rosca? Seja mais objetivo!

      Excluir
    2. Quem vai ter inveja de um técnico cara? Isso ele nem precisa dizer, larga de ser burro... o técnico metido na vida alheia ao ver que nunca iria ter o dinheiro e a vida feliz que eles levam, resolveu descontar sua frustração no roteador dos clientes. Idiota mesmo!!

      Excluir
  2. Vixe, esse aí teve o azar de ir mexer com as pessoas erradas. Como são dois bonitões ricassos da zona sul até a Globo entrou no meio.. e do jeito que a Vivo adora um gay no mínimo vai dar uma suspensão no palerma.

    ResponderExcluir
  3. Tudo é culpa do técnico!! Ow profissional desmoralizado!! É o cocô do cavalo do bandido!!! Quero ver esses dois homens com H maiúsculo provarem que não foi algum dos funcionários ou clientes que possuem acesso ao roteador e em consequência a SSID do equipamento, e se aproveitou exatamente da visita de um técnico da operadora para usar de álibi para esta brincadeira de mau gosto. Vai que o técnico é evangélico ou possui um bom histórico na empresa? Acusar assim sem provas é muito, mas muito fácil!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se o técnico fosse evangélico, garanto que jamais faria isso. Esse tipo de constrangimento é causado por gente que não aguenta ver o seu próximo feliz. Por favor, não defenda! -_-

      Excluir
  4. Até que se prove o contrario, não se pode julgar.
    Já que todo mundo, como o mesmo diz, tem a senha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo mundo tem a senha de acesso cara, e a senha de acesso não é a mesma senha de administrador (que pode abrir o roteador e configura-lo). É muita coincidência isso acontecer bem depois que o técnico foi embora. Se ñ sabe das coisas, ao menos ñ abre a boca pra ficar defendendo gente ruim. Vlw flw

      Excluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não são tolerados comentários ofensivos ou que tenham por objetivo discriminar pessoas em razão de sua raça, cor, etnia, orientação sexual ou gênero. O respeito ao próximo, acima de tudo, é primordial dentro das áreas de discussões do Minha Operadora.

      Excluir