quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Capacidade do 4G poderá se esgotar em até três anos

O que você achou? 
Picos de dados podem não ser mais suportados após a migração de grande parte dos usuários 3G para a nova tecnologia.

A Amdocs (provedora de softwares e serviços de comunicação) divulgou uma pesquisa sobre o tráfego móvel mundial que mostra que o crescimento contínuo na demanda por dados poderá esgotar a capacidade dos hotspots da rede 4G até 2018.

O estudo constatou que 20% dos locais de maior acesso à rede nas grandes cidades são responsáveis por 80% de todo o tráfego de rede. A intensa concentração de demanda diminui a qualidade do sinal oferecido.

A tecnologia 4G não será capaz de resolver o problema de demanda de dados. Além de novos usuários, a utilização por assinante continua a crescer, chegando em alguns casos a dobrar de tamanho. Os heavy users, usuários que passam grande parte do dia conectados, correspondem a 10% dos assinantes e consomem 80% dos dados da rede, 10x mais do que um usuário médio. 

O LTE (4G) é capaz de retirar até 50% do tráfego das redes 3G, mas isso será suficiente apenas por um prazo de 2 a 3 anos. “A resposta já não é mais simplesmente adicionar hardware - small cells e Wi-Fi oferecerão novas opções -, mas introduzir soluções inteligentes para priorizar os investimentos e alocar automaticamente os recursos para maximizar a experiência”, explica a vice-presidente de produtos e soluções da Amdocs Rebecca Prudhomme. 

Eventos esportivos e de entretenimento, como shows, são capazes de criar picos na demanda de dados móveis. Durante o evento em si, os uploads em redes sociais e as segundas telas podem aumentar as sessões de dados em até 50%. Para se ter uma ideia do volume de dados, nos 64 jogos da Copa do Mundo do Brasil no ano passado, os espectadores nos estádios trafegaram 26,7 TB de dispositivos móveis.

                         Governo vai ajudar operadoras a expandir redes 3G/4G
                         Tecnologia 3G ultrapassa a GSM em popularidade no Brasil

Com informações de Olhar Digital.

Nenhum comentário:

Postar um comentário