segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Conheça os homens mais poderosos do setor de telecom

O que você achou? 
Centenas de grandes companhias de telecomunicações estão espalhadas pelo mundo, e por trás delas há grandes bilionários.


O setor de telecomunicações está a todo vapor. E num mundo cada vez mais globalizado, a indústria de telecom é uma das principais responsáveis por apresentar a todos novos conceitos e tecnologias que fazem a diferença na vida de muita gente. Os seus investidores, magnatas do setor, obviamente tem grande influência no nosso futuro, até no ponto em que as coisas podem evoluir no ramo da comunicação.

Cresce a indústria de telecomunicações, e consequentemente, crescem o número de bilionários envolvidos com a área. Confira um ranking com os mais poderosos do pedaço:

1º Lugar: Carlos Slim (México)
Proprietário do Grupo América Móvil (responsável pelas operadoras Claro, Embratel e NET no Brasil).

Se você estiver fazendo uma chamada de telefone em quase qualquer lugar da América Latina, há uma grande possibilidade de você estar usando uma rede de telefonia controlada pelo mexicano Carlos Slim. Sua América Móvil tem operações em 18 países das Américas e 265 milhões de clientes de telefonia móvel. No México, as unidades da América Móvil tem uma participação de 70% do mercado de celular e 80% do mercado de serviços fixos, embora uma nova lei no país passou a proibir empresas de controlar mais de 50% dos mercados de telecomunicações e radiodifusão. Para cumprir, Slim disse que vai vender alguns ativos. Slim também tem os dedos nos setores de varejo, industrial e financeiro no México através de participações no controle do conglomerado industrial Grupo Carso e do Grupo Financiero Inbursa. Nos EUA, ele é dono de participações minoritárias em Saks Fith Avenue e no jornal The New York Times. Um dos principais filantropos do mundo, ele fez uma parceria com a Fundação Bill, Hillary & Chelsea Clintos, bem como com a Fundação Bill & Melinda Gates.

Com 74 anos e uma fortuna estimada em US$ 74,2 bilhões pela revista Forbes, ele também é o segundo homem mais rico do mundo, atrás apenas do Bill Gates.

2º Lugar: Masayoshi Son (Japão)
CEO da Softbank

O Investimento de US$ 20 milhões do Masayoshi Son, feito há 14 anos em Jack Ma e sua jovem Alibaba é lendário, embora seja apenas um dos perto de 1.300 investimentos feitos pela Softbank, Internet e telecomunicações gigantes que ele fundou há décadas. Agora seu filho está publicamente na busca para o próximo Ma e empreendedores "heróis" que criam postos de trabalho na Índia, onde ele se comprometeu a investir US$ 10 bilhões em e-commerce nos próximos 10 anos. Enquanto estudante na Universidade de Berkeley na década de 1970, ele diz que prometeu vir com uma ideia empreendedora diariamente.

Com 57 anos e uma riqueza avaliada em US$ 15,5 bilhões, ele é o 54º homem mas rico do mundo.

3º Lugar: Patrick Drahi (França)
Fundador da Altice

Patrick Drahi apareceu na lista de bilionários da Forbes deste ano após a Altice, empresa de telecomunicações multinacional que fundou, levantar US$ 1,8 bilhão em janeiro de 2014 num IPO de Amsterdam. Seguindo uma estratégia de compra-baixa, venda-alta, ele construiu a Altice através de 20 aquisições de operadoras móveis e de cabo atrasadas, muitas vezes a preços muito baixos em lugares como França, Bélgica, Israel, Portugal e a República Dominicana. Mais de 40% das receitas da Altice vem da França, enquanto 27% vem de Israel. Filho de dois professores de matemática, ele nasceu em Marrocos e viveu lá por 15 anos. Possui um diploma de engenharia da prestigiosa Universidade parisiense École Polytechnique e vive em Genebra com sua esposa e quatro filhos.

Com 50 anos e um patrimônio de US$ 11,4 bilhões, ele é o 104º mais rico do mundo.

4º Lugar: Ananda Krishnan (Malásia)
Proprietário da Aircel e Maxis

Ananda Krishnan é a segunda pessoa mais rica da Malásia. Em dezembro de 2013 ele transferiu um pedaço de ações da área de telecomunicações Maxis para a BGSM Equidade, uma holding que possui, o que provocou rumores de que ele estava vendendo para fora. No ano passado, ele colocou perto de US$ 1 bilhão na Aircel, sua operadora de telecomunicações indiana endividada que ele pode estar olhando para vender. A investigação federal sobre como sua propriedade mudou, e as licenças como ele foi concedido, continua. Krishnan divide seu tempo entre a Malásia e a França, onde sua esposa reside. Seu único filho é um monge budista na Tailândia.

Com 76 anos e riqueza estimada em US$ 10 bilhões, ele é o 124º mais rico do planeta.

5º Lugar: Wang Jing (China)
Proprietário de parte da Pequim Xinwei

O patrimônio líquido de Wang Jing subiu US$ 5 bilhões desde o ano passado, graças ao comunicado de uma transação em setembro, em que Wang vendeu sua participação de 37% na empresa de tecnologia sem fio privada Beijing Xinwei Telecom Technology de uma empresa cotada, que mudou seu nome para Beijing Xinwei. Ele é muito conhecido por seu plano polêmico de construir um canal de US$ 50 bilhões através da Nicarágua. Wang também esteve envolvido na construção de projeto de consultoria, metais e agronegócio.

Com 41 anos de idade e patrimônio de US$ 7,1 bilhões, ele é o 191º mais rico do mundo.

6º Lugar: Sunil Mittal (Índia)
Proprietário da Airtel

A Sunil Mittal Bharti Airtel, quarta maior telecom do mundo em número de assinantes, cruzou a marca de 300 milhões de clientes. Em um leilão do governo em fevereiro, a Airtel comprou um espectro adicional que vale cerca de US$ 3 bilhões. Mas está aguardando aprovação para a compra de sua rival Loop Mobile, por US$ 113 milhões, que irá torná-la a maior operadora de Mumbai. Para reduzir sua dívida de US$ 9,6 bilhões, a Airtel vendeu algumas das suas torres de telecomunicações na África por US$ 1,2 bilhão e está assumidamente em negociações com a American Tower Corp. para uma nova venda. O serviço de mensagens do seu Filho Kavin, Hike, um clone local do Whatsapp, desenvolvido em uma joint venture com a SoftBank, atraiu 20 milhões de clientes. Sua Fundação Bharti prometeu US$ 16 milhões para a construção de banheiros em áreas rurais de Punjab, de onde ele vem.

Com 57 anos e fortuna avaliada em US$ 6,9 bilhões, ele é o 199º mais rico do planeta.

7º Lugar: Denis O'Brien (Irlanda)
Proprietário da Digicel

O magnata da telefonia celular Denis O'Brien comanda US$ 2,8 bilhões (vendas) da Digicel, a sua operadora de telefonia, que opera na América Central, no Caribe e ilhas do Pacífico. Filho de um ativista, ele diz que tenta operar baseado em 80% negócios, e 20% numa ética de filantropia. "Nós não somos barão ladrão", diz ele. "Nós nunca queremos ser vistos como alguém que arranca países." Ele construiu centenas de escolas em países em desenvolvimento como o Haiti e Papua Nova Guiné. A Digicel, que é o seu maior trunfo, sofreu um revés este ano ao não garantir uma das duas licenças móveis oferecidas pelo mercado emergente Myanmar. Mas a empresa ainda está prosperando - e fazendo seu fundador O'Brien mais rico no processo. A operadora de celular informou que espera pagar em dinheiro vivo ao empresário irlandês um dividendo de US$ 650 milhões em 2014. O'Brien também é o maior acionista do maior jornal da Irlanda, é dono de uma empresa de empregos online com incursões na China e recentemente, comprou o resto da Topaz, principal varejista de combustível da Irlanda de que ele já detinha uma participação menor.

São 56 anos de idade e US$ 5,7 bilhões, o tornando o 278º homem mais rico da Terra.

8º Lugar: Chey Tae-Won (Coreia do Sul)
Proprietário do Grupo SK

Chey Tae-Won está cumprindo pena de 6 anos por desvio de fundos de uma filial de seu Grupo SK. O que ele fraudou é apenas um pedaço de sua fortuna: apenas cerca de US$ 40 milhões. Deixou o cargo de presidente da SK Holdings depois de perder sua última apelação em fevereiro. Essa não é a primeira vez que vai parar atrás das grades. Em 2003, serviu durante 7 meses por fraudes contábeis.

São 54 anos de idade e US$ 4 bilhões de patrimônio, sendo o 398º mais rico do planeta.

9º Lugar: Najib Mikati (Líbano)
MTN Group/Investcom

Após dois anos como primeiro-ministro do Líbano, Najib Mikati renunciou em março de 2013, em meio a crescente tensão no país sobre a guerra na vizinha Síria. Político moderado, ele lutou para manter o Líbano, profundamente dividido em linhas sectárias, fora do conflito sírio. Em dezembro de 2013, um carro bomba explodiu em frente ao complexo de edifícios Mikati que fica no centro de Beirute, matando um ministro do governo anterior e transeuntes. Antes de sua entrada na política, ele e seu irmão Taha foram operadores de telecomunicações na África e na Síria através de sua empresa Investcom. Eles venderam a MTN Group da África do Sul, em 2006, por US$ 3,6 bilhões em dinheiro e ações.

Com 59 anos de idade, ele é dono de uma fortuna avaliada em US$ 3,2 bilhões, o tornando o 524º homem mais rico do mundo.

10º Lugar: Taha Mikati (Líbano)
MTN Group/Investcom

Como acabamos de comentar, Taha fundou a operadora de telecomunicações Investcom com seu irmão Najib Mikati. Apesar de vendida para a MTN Group, a operadora continua a receber interferência de Mikati por meio da holding M1 Group. Taha é responsável pelas decisões estratégicas, enquanto o seu filho Azmi, um graduado em engenharia pela Universidade de Columbia, corre no dia a dia. A M1 Group tem investimentos em imóveis, locação de jet, e empresa de vestuário de luxo. Em 2012 ele comprou uma participação na rede de supermercados britânica J. Sainsbury. No início deste ano, investiu em uma empresa de commodities agrícolas libanesa que está desenvolvendo uma fazenda de alfafa no Sudão.

São 69 anos de vida, e US$ 3,2 bilhões, assim como seu irmão. Estamos falando do 524º homem mais rico do mundo.

11º Lugar: Naguib Sawiris (Egito)
CEO da OTMT

Naguib Sawiris voltou com o papel de CEO na sua empresa Orascom Telecom Media e Technology (OTMT) em outubro, levando as ações a terem alta de mais de 7%. O CEO anterior renunciou por motivos pessoais. Sawiris, que ocupava o cargo de presidente executivo do conselho, prometeu levar um "novo take-off", através da elaboração de uma estratégia de crescimento para uma empresa onde o estoque definhou. A OTMT tem investimentos em telefonia móvel, empresas de mídia e tecnologia no Egito, Líbano e Paquistão. Ele também dirige a única empresa de telecomunicações móveis 3G da Coreia do Norte, a Koryolink. Junto com seu irmão, Nassef, Sawiris se comprometeu a investir pesadamente no Egito após a saída do ex-presidente Mohamed Morsi.

Com 60 anos de idade e fortuna de US$ 3,1 bilhões, Sawiris é o 544º mais rico do planeta Terra.

12º Lugar: Charles Dunstone (Reino Unido)
Presidente da Talktalk

Charles Dunstone, presidente da telecom britânica Talktalk, pode em breve estar no meio de um outro negócio móvel se a venda da Talktalk se concretizar. (A operadora Vodafone estaria interessada.) Dunstone é um veterano nesse tipo de coisa. Ao longo dos últimos anos, ele separou a TalkTalk da sua Warehouse Carphone, maior varejista de telefonia celular da Europa, e também fez uma joint venture com a Best Buy. Ainda presidente da Carphone Warehouse, recebeu £ 227 milhões antes de impostos em 2012, quando a empresa vendeu sua participação de 50% da Best Buy Mobile para o varejista dos Estados Unidos. Dunstone começou a Carphone Warehouse em 1989, com cerca de US$ 12.000 em economias de seu apartamento em Londres; Agora, a empresa tem mais de 2.400 lojas em toda a Europa. Dunstone é um velejador ávido e participa nas regatas de vela em todo o globo.

Ele possui 50 anos de idade e US$ 2,7 bilhões, sendo o 655º humano mais rico das galáxias.

13º Lugar: John Caudwell (Reino Unido)
Fundador da Phones4U

Ex-diretor executivo da operadora de telefonia móvel Caudwell Group, John Caudwell gasta muito do seu tempo promovendo sua instituição de caridade, Caudwell Children, que deu mais de US$ 23 milhões (£ 14 milhões) para crianças deficientes. Nascido em uma família da classe trabalhadora em Stoke-on-Trent, em 1987, fundou sua empresa de telefonia móvel por atacado, mais tarde conhecida como Phones4U, com seu irmão, Brian. Eles começaram a comprar 26 dispositivos dos Estados Unidos, em seguida, vendê-los para milhares de cada no Reino Unido. Em 1993, os irmãos fundaram a Singlepoint, operadora de serviço móvel que tinha 1,9 milhões de clientes no momento que a Vodafone adquiriu em 2003 por US$ 650 milhões. Ele injetou o dinheiro na Phones4U e em 2006, vendeu sua participação majoritária para a Providence Equity Partners por US$ 2,8 bilhões. Em 2011, ele vendeu sua participação de 25% restante por US$ 272 milhões. É dono de mansões adjacentes no exclusivo bairro de Mayfair em Londres, onde está construindo uma extensão subterrânea de 14.000 metros quadrados, ligando as duas propriedades que irão incluir uma piscina, salão, bar e sala de jogos. Se recusa a usar paraísos fiscais offshore e tem sido apelidado de maior pagador de imposto de renda da Grã-Bretanha.

62 anos de experiência e US$ 2,6 bilhões nos cofres. Ele é o 666º mais rico do universo.

14º Lugar: Richard Li (Hong Kong)
Proprietário da HKT

Richard Li está buscando aprovação para sua HKT conseguir adquirir a CSL New World Mobility da Telstra na Austrália por US$ 2,4 bilhões. O negócio iria fazer sua empresa saltar a frente de três operadoras de telefonia móvel concorrentes, chegando na liderança com mais de um terço do mercado. A HKT já é a maior operadora de internet e telefonia fixa de Hong Kong. O governo concedeu a PCCW uma licença muito cobiçada em outubro, para competir no mercado de TV aberta de Hong Kong.

Ele possui 48 anos, com riqueza estimada em US$ 2,1 bilhões. O 841º homem mais rico da Terra é este.

15º Lugar: Yasumitsu Shigeta (Japão)
Fundador da Hikari Tsushin

Fundador da prestadora de telefonia móvel Hikari Tsushin, Shigeta está se beneficiando de um aumento de 77% no preço das ações da empresa depois de um forte desempenho e recompra das ações no ano passado. Ele vem diversificando: com foco em contratos de celular e aplicativos de smartphones.

São 49 anos de idade e fortuna de US$ 2 bilhões, sendo o 896º mais rico do mundo.

16º Lugar: Mehmet Emin Karamehmet (Turquia)
Proprietário da Turkcell

Mehmet Emin Karamehmet é o proprietário da Cukurova Holding, que tem interesses em embalagens, produtos químicos, finanças, construção e telecom. A maior parte de sua fortuna está ligada a Turkcell, maior operadora de telefonia celular da Turquia e a única empresa turca de capital aberto na NYSE. Seu parceiro russo na empresa, Alfa, depois lançou uma reivindicação de 13,8% das ações da Turkcell alegando que Karamehmet deixou de pagar uma dívida de US$ 1,35 bilhão. Em julho de 2013, o Conselho Privado Inglês decidiu que o Grupo Cukurova deveria pagar US$ 1,6 bilhão para manter suas ações da Turkcell. Mas a questão não foi resolvida. Há um caso relacionado passando por arbitragem em Nova York. O Conselho Privado decidiu que Karamehmet deve fazer o pagamento no prazo de 60 dias após a resolução do caso em Nova York. Afim de recolher US$ 455 milhões da dívida da Karamehmet, o Fundo de Seguro de Depósito da Turquia apreendeu as empresas do grupo em meios de comunicação (jornal Aksam, programa de TV e rádios), BMC (automotivo) e Digiturk (plataforma de radiodifusão digital). Seus problemas na Turkcell têm impulsionado a sua fortuna para baixo em quase US$ 1 bilhão desde o ano passado. Mas suas ações da Genel Energy, que produz petróleo no norte do Iraque, têm subido.

Com 70 anos de idade, ele possui atualmente US$ 1,5 bilhão em riquezas. 1119º mais rico do mundo no ranking geral.

17º Lugar: Kenny Troutt (Estados Unidos)
Fundador da Excel Communications

Kenny Troutt começou sua carreira vendendo seguros de vida e usou os fundos para pagar sua mensalidade na Southern Illinois University. Filho de um empregado de bar, fundou uma empresa de telefonia de longa distância, Excel Communications, em 1988, e levou a público em 1996. Ele fundiu-se, dois anos mais tarde com a Teleglobe em um negócio de US$ 3,5 bilhões, e os lucros reinvestidos em ações, títulos e cavalos. Ele patrocina nacionalmente seus dois filhos nas competitivas equipes de basquete da juventude, que integram as famílias desfavorecidas, com classes média e superior. Ele também gosta de corridas de cavalos e possui Winstar Farm, em Versailles, no estado americano do Kentucky. Ele ocupa o 25º lugar no Centro do ranking dos principais contribuintes políticos individuais dos Responsive Politics.

Possui 66 anos e patrimônio avaliado em aproximadamente US$ 1,5 bilhão, sendo o 1225º mais rico do mundo, segundo a revista Forbes.

18º Lugar: Gleb Fetisov (Rússia)
Acionista da Vimpelcom

No início de 2014, Gleb Fetisov deixou o mundo dos negócios para se tornar um político da oposição em tempo integral depois que ele fez US$ 1,45 bilhão em ativos de venda. Em abril de 2012 formou o Partido Verde Alliance e uniu-se com o partido social-democratas russo chefiado por Gennady Gudkov. Fetisov possuía uma participação de 8% na terceira maior operadora de celular da Rússia, Vimpelcom. Também possuía o My Bank em Moscou, que está enfrentando uma possível falência. Além disso, ele detinha o My Decker Capital, uma empresa de investimento em Pequim com um fundo que derramou US$ 100 milhões na maior rede de varejo da China, Nova Cooperação Comercial Chain (em tradução livre), em 2011. Ele estudou economia na Universidade Estadual de Moscou, ganhando um doutorado, e se dirigiu a várias empresas de investimento antes de se juntar investindo firme no Alfa Group em 1995. Lá ele trabalhou pela primeira vez na divisão de mercadoria e comércio de alimentos, Alfa Eco, e mais tarde levou a aquisição do grupo de uma fábrica de alumínio na Sibéria. Ele também se tornou um lobista e um membro do Conselho da Federação, a câmara alta do Parlamento da Rússia, mas deixou o cargo em 2009.

Com 48 anos de idade, Fetisov é o 1242º homem mais rico do mundo, com fortuna estimada em US$ 1,4 bilhão.

19º Lugar: Vladimir Yevtushenkov (Rússia)
Proprietário da MTS

Em julho de 2013 a empresa de capital aberto de Vladimir Yevtushenkov, Sistema, vendeu 49% da empresa de petróleo RUSSNEFT ao seu fundador bilionário, Mikhail Gutseriev, por US$ 1,2 bilhão. A Sistema possui mais uma companhia de petróleo, Bashneft. A estatal Rosneft manifestou interesse em comprar Bashneft. Quando foi fundada, em 1993, as maiores participações da Sistema estavam em telecom. O grupo inclui MTS, a maior operadora de celular da Rússia. Além do petróleo e telecom, a Sistema está na energia, engenharia, agricultura e mídia de negócios. Vladimir também é dono de lojas de brinquedos e clínicas. Um ex-engenheiro de plásticos, Yevtushenkov co-fundou a Sistema e levou a público na Bolsa de Valores de Londres em 2005.

Com 66 anos de idade, ele é o 1287º mais rico do mundo, com patrimônio de US$ 1,4 bilhão.

20º Lugar: Mohammed Ibrahim (Reino Unido)
Fundador da Celtel

O Sudanês Mo Ibrahim fez o seu dinheiro na Celtel, uma das primeiras companhias de telefonia móvel a operar na África e Oriente Médio. Ele vendeu em 2005 por US$ 3,4 bilhões e embolsou US$ 1,4 bilhão. Agora está tentando lutar contra a liderança corrupta da região através da Fundação Mo Ibrahim, que dá um prêmio de US$ 5 milhões em 10 anos para chefes de Estado africanos aposentados que deixaram seus países materialmente melhores e mais transparentes. A fundação publica o Índice Ibrahim de Governação Africana, classificando os governos pela sua capacidade de garantir a oportunidade econômica sustentada e do Estado de Direito.

Mo Ibrahin tem 68 anos, e com fortuna avaliada em US$ 1,1 bilhão, é considerado o 1523º mais rico do planeta.

21º Lugar: Murat Vargi (Turquia)
Fundador da Turkcell e acionista da KVK

Murat Vargi é o fundador da maior operadora de telefonia celular da Turquia, Turkcell. Hoje ele é dono de uma participação de 1,1% na empresa, mas está se preparando para vender essas ações. Ele também é fundador da MV Holding, que investe em energia e turismo. Tem investimentos menores em tecnologia, inclusive no motor de busca Hakia. E também é dono de uma participação na KVK, a maior rede de varejo de telefonia móvel da Turquia.

Com 67 anos, Vargi fecha o nosso ranking na 1535º posição dentre os homens mais afortunados do planeta, com US$ 1 bilhão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário