quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Termina hoje a 'velocidade reduzida' para alguns clientes Vivo

O que você achou? 
Quem usa a operadora em alguns estados das regiões sudeste e sul serão os primeiros a testar a novidade.


Clientes da operadora Vivo em Minas Gerais e Rio Grande do Sul terão o 'privilégio' por começarem a utilizar internet móvel sem queda de velocidade após o consumo da franquia. Não, isso não significa necessariamente uma coisa boa. Após o consumo da franquia do pacote contratado, os clientes dessa operadora vão ter que comprar um novo pacote (a sugestão da operadora é comprar mais 50MB por R$ 2,99) ou se contentar em ficar sem acessar a internet até o dia de renovação da assinatura da internet do cliente pré-pago. Explicamos melhor sobre a mudança aqui.

Em nota, a Vivo diz que agora o consumidor pode utilizar a internet que contratar sempre em alta velocidade, sem associar a baixa velocidade a rede da operadora. A Vivo espera com isso descongestionar a sua rede 3G, mas prejudicará principalmente os clientes de baixa renda, que não vão poder gastar muito com internet para manter a conexão ativa. As operadoras Claro, Oi e TIM observaram com animação o movimento da Vivo, mas por enquanto não anunciaram nenhuma data para começar a utilizar o novo método tarifário.

O perito criminal mineiro João Henrique Maciel, de 36 anos, prevê mais gastos.

"Poderia até reduzir o consumo, mas se extrapolasse a franquia ia acabar adquirindo os pacotes adicionais. E se isso se tornasse um hábito frequente, possivelmente pensaria num plano com franquia maior."

Quadro semelhante é o da também mineira Samira De-Stefano, relações públicas, 25 anos. Cliente de um plano pós-pago, já recebeu contas de R$ 2.400 após usar 300 MB excedentes no exterior.

"Uso celular o dia inteiro. É Instagram, Facebook, Waze, WhatsApp e Skype, porque meu namorado mora na Suíça. Não controlo meu 3G. Como sou muito frenética, só vou usando, sem hesitar. A questão de redução de velocidade me incomoda."

De acordo com o analista de telecomunicações da IDC Brasil, João Paulo Bruder, antes já existia a opção de pagar para manter a velocidade. Ninguém obrigava o usuário a usar velocidade reduzida, ele usava porque queria. Ele acredita que a mudança é um simples gerador extra de receita para a empresa.

Segundo dados da IDC, os gastos dos consumidores com dados devem aumentar 18,8% neste ano em relação a 2013, enquanto os com voz devem crescer menos, 9,2%.

"O que as operadoras estão fazendo é aumentar mais ainda essa receita de dados."

A medida já é utilizada pelos Estados Unidos e alguns países do Continente Europeu. A Vivo é a primeira empresa de telefonia a aplicar a medida no Brasil. Se alcançar o que pretende com a mudança, a empresa anunciou que clientes de outros estados também devem passar a ser tarifados dessa forma "nos próximos meses", inclusive pós-pagos.

                         Existe vantagem em acabar com a redução da velocidade?

Com informações de R7.

Um comentário:

  1. Como a vivo já havia colocado anteriormente que a redução de velocidade era questão promocional, então não cabe reclamações contra a operadora.

    Agora os clientes tem duas formas:
    1 - fazer a portabilidade para outra operadora ou
    2 - aguentar a #sinaldequalidadeQUE NÃO TEM #pegaeCORTAbem....

    ResponderExcluir