sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Telefônica/Vivo corta orçamento do Terra e demissões são feitas

O que você achou? 
Mesma após uma grande reformulação, um dos maiores portais de notícias do Brasil continua perdendo audiência.

O Grupo Telefônica/Vivo, dono do portal de notícias Terra, demitiu nesta quarta-feira (13) dezenas de funcionários do veículo de comunicação em todo o Brasil. Foi apurado que os cortes podem chegar a 100 trabalhadores, sendo a redação a área mais afetada. O portal também fechou a editoria de fotografia.

"Quatro profissionais em São Paulo e dois no Rio de Janeiro foram demitidos. As demais redações no Brasil não possuíam equipe própria de fotojornalistas", explicou um fotógrafo demitido. "Não sabemos o que vai acontecer com a área de fotografia. Não sobrou ninguém", acrescentou outro.

Alguns profissionais desligados afirmam que o site deixará de ser atualizado 24 horas. Procurada pela imprensa, a gerência de comunicação corporativa não confirmou a informação e disse que não daria mais declarações, além do que já foi dito em nota oficial.

No comunicado, o Terra confirmou os desligamentos, sem dar detalhes, e alegou que a medida visa adequar sua estrutura e recursos, alinhando suas unidades, além de promover uma reestruturação em todas as áreas.

Em São Paulo, mais de 50 funcionários foram desligados. Além de toda a equipe de fotografia (um editor e três fotógrafos), entre os profissionais demitidos estão o redator de "Games", o editor-executivo e cinco jornalistas de "Diversão", editoria que se juntou à de "Vida e Estilo". A área de "Esportes" parece ter sido a mas atingida com cinco desligamentos na redação (ficaram 11 repórteres) e seis na TV Terra (cinco profissionais foram mantidos). Segundo apuração, a editoria de "Economia" é que a única que não sofreu cortes.

Também em São Paulo, os funcionários do setor chamado Latan, responsável pelas notícias da América Latina, foram informados que trabalharão um determinado dia e que posteriormente serão desligados. Já em Porto Alegre (RS), dos 20 profissionais, 16 foram desligados, sobrando apenas dois capistas, um repórter e o chefe de reportagem. No Rio de Janeiro (RJ), os fotógrafos foram demitidos e somente dois funcionários serão mantidos. Até o momento, não há informações sobre cortes em Brasília.

Haverá ainda mudanças físicas em São Paulo, onde atualmente o portal possui dois andares na torre norte do CENU, sendo um deles a cobertura. "A equipe que trabalha lá será deslocada para o 12º andar, onde fica a redação principal. Essa redação será 'apertada' na área do Terra TV. Não se sabe o que vai acontecer com a cobertura, se será desocupada ou continuará ativa", afirmou um dos profissionais desligados.

Funcionários informaram que 50% do editorial foi desligado, mas não ficou claro se cortes foram apenas no Brasil ou em âmbito global. "A explicação é que a empresa está com uma reformulação, por conta de necessidades comerciais e financeiras, e que eles precisavam fazer alguns cortes", contou um jornalista.

Segundo outro profissional demitido em São Paulo, já havia um boato de passaralho [demissão em massa de jornalistas] desde a semana passada. "Mas ontem algumas pessoas receberam um e-mail convocando para uma reunião hoje, em horários diferentes. O pessoal ia entrando e ele [Hélio Gomes] ia comunicando as demissões. Só no meu horário tinha de 25 a 30 pessoas na sala".


Ele explicou que, após o anúncio, cada gestor saía com sua equipe para orientar em relação aos trâmites burocráticos. Em seguida, eles já devolveram crachás e outros itens da empresa e foram ao setor de Tecnologia de Informação dar baixa nos e-mails e demais procedimentos. "Já estava tudo pronto. Cada um recebia uma pasta, com seu nome, documentos, tudo impresso", revelou.

"Eu, particularmente, fui completamente pego de surpresa. Fui convocado ontem à tarde para uma reunião hoje de manhã, num horário mais cedo do que eu costumo entrar. A conversa foi muito rápida. Depois o pessoal do RH procurou dar o suporte necessário", comentou outro jornalista demitido.


Dados da consultoria Alexa confirmam a queda na audiência do portal jornalístico. No ranking geral, o Terra é o 19º maior site do país.

Um funcionário do alto escalão em São Paulo afirmou que os cortes estão ligados a problemas econômicos da Telefônica, que cortou "basicamente todo o orçamento" do Terra. Ainda segundo ele, mesmo com a reformulação do portal em abril de 2013 - muito criticada por sinal - a audiência desabou. "O Terra passa por uma crise financeira há muito tempo. A publicidade não paga o Terra", alegou. Apesar disso, o Minha Operadora divulgou no final do mês passado que o lucro da Telefônica/Vivo superou as expectativas dos analistas e chegou a quase R$ 2 bilhões. Não se sabe porém, se a empresa mantém interesse em realizar grandes investimentos no sétimo maior site de conteúdos do Brasil - atrás de (na ordem): UOL, Globo, Yahoo, Abril, iG e MSN, segundo o ranqueador de sites Alexa; ou se quer utilizar a receita em outras operações.


Os cortes atingem números próximos aos da última onda de demissões, ocorrida em dezembro de 2012, quando cerca de 150 pessoas foram cortadas em diversas áreas, como administração, TI, redação e marketing.

Com informações de Portal Imprensa.

Um comentário:

  1. As últimas mudanças deixaram o Portal um LIXO. Só eles é que não viram. Nunca mais acessei. Lento, confuso, desinteressante.

    ResponderExcluir