terça-feira, 5 de agosto de 2014

Funcionária vai receber indenização da Vivo por recusar-se a mentir

O que você achou? 
Empregada não concordava com a atitude da loja de informar aos usuários de planos pré-pagos que o sistema estava indisponível para eles.

Todo emprego tem seus problemas, e quando se trata de ter contato com o público o desafio é ainda maior. Além de agradar ao cliente, o funcionário também tem que agradar ao chefe - que representa a empresa. Só que nem toda hierarquia é justa, e nem todo superior faz um trabalho honesto. É aquela velha corrupção que sempre é discutida no Brasil, mas nunca deixa de existir. Por causa da desonestidade por parte de supervisores, gerentes e outros funcionários é que uma funcionária da Vivo irá receber uma indenização de R$ 50 mil. Ela se recusou a mentir para clientes.

Segundo ela, o objetivo da empresa era priorizar a contratação de planos pós-pagos informando aos clientes que o sistema para planos pré-pagos estava indisponível. Inclusive para resgate de micro-chips, por exemplo. Por não aceitar a prática, a funcionária foi alvo de xingamentos e brincadeiras na companhia.

Uma testemunha, cujo depoimento foi reforçado por outro funcionário da loja, relatou o caso ao juiz Marcos Fagundes Salomão, da 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região do Rio Grande do Sul. Ele tentou adquirir um plano pré-pago, mas foi informado de que o sistema não estava funcionando. Quando tentou novamente, a funcionária em questão vendeu o plano normalmente e, por isso, foi hostilizada pelos colegas de trabalho.

O juiz também entendeu que o caso gerou problemas como ansiedade e estresse à funcionária, que ficou algumas semanas afastada do trabalho e foi demitida ao retornar. Com isso, a Vivo terá que pagar a indenização por danos morais e mais 12 meses de salário devido à doença ocupacional ocasionada.

Vale notar que a liberdade de consciência precisa ser preservada no ambiente de trabalho, conforme consta na Constituição Federal.

A Vivo informou que vai recorrer ao Tribunal Superior do Trabalho visando a modificação da decisão.

Com informações de Revista INFO.

3 comentários:

  1. Todas as operadoras fazem isso. A TIM é especialista em negar a portabilidade para pré-pagos. Só faz se entrar a Anatel no meio, mas aí a maioria dos usuários já desistiu e foi para outra operadora. Burrice dela que perde clientes, porque mesmo que sejam menos lucrativos, ainda é algum dinheiro que ela deixa de ganhar.

    ResponderExcluir
  2. Cambada de filhos da puta.

    ResponderExcluir
  3. todas as não são sinceras com os clientes.

    ResponderExcluir