domingo, 22 de junho de 2014

Governo começa a divulgar no exterior leilão para expandir rede 4G

O que você achou? 
De olho no 4G, governo brasileiro vai apresentar o mercado de telecomunicações brasileiro para operadoras estrangeiras.


O leilão da faixa de 700 MHz, previsto para ocorrer em agosto, começa a ser divulgado em Nova York e em Londres a partir desta segunda-feira (23) até quinta-feira, 26 de junho. O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, lidera a comitiva que conta com integrantes do Ministério das Comunicações e da Anatel.

O objetivo é apresentar o mercado brasileiro de telecomunicações e divulgar o edital, com o intuito de atrair empresas que ainda não atuam no Brasil. A primeira parada do grupo é em Nova York, onde será realizada uma promoção comercial promovida pelo Consulado-Geral do Brasil, além de reuniões com investidores. Em Londres, também está prevista a realização de um evento promocional pela Embaixada do Brasil, com encontros bilaterais.

O leilão da faixa de 700 MHz é visto como uma grande oportunidade para atrair ao País novos grupos que atuam no mercado global de telecomunicações. O mercado brasileiro tem apresentado avanços expressivos no segmento de banda larga. Só nos últimos quatro anos, o número de acessos a este serviço cresceu 1.026%, saltando de 12,1 milhões de acessos, em 2010, para 137,2 milhões, em 2014. E ainda há uma grande demanda pela tecnologia, o que torna o País atrativo para as empresas.

Essa faixa de frequência, que atualmente é ocupada por canais de TV aberta, será liberada com a mudança dessas emissoras para a tecnologia digital. Depois de ser liberada, a faixa vai ser usada para expandir o serviço de telefonia e internet 4G no Brasil, que desde 2013 já opera no país na frequência de 2,5 GHz.

A frequência de 700 MHz possibilita cobertura de grandes áreas com o uso de menos antenas, o que permite levar os serviços de telecomunicações inclusive às áreas rurais, a um custo menor. Além disso, é o padrão utilizado internacionalmente para a internet 4G em vários países.

Com informações de A Crítica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário