quarta-feira, 28 de maio de 2014

Ministério Público quer barrar serviços de telefonia não contratados

O que você achou? 
Órgão entrou com ação para que as operadoras interrompam cobranças não solicitadas de clientes que reclamaram pela internet.


O Ministério Público Federal de Goiás (MPF-GO) entrou com uma ação civil pública perante a Justiça Federal de Goiás para que as empresas de telefonia móvel Claro, Oi, TIM e Vivo suspendam a cobrança dos chamados serviços de valor adicionado (SVA), não contratados pelos usuários.

A suposta prática abusiva foi descoberta após análise de denúncias de consumidores relatadas em um site de reclamações. A queixa mais comum por parte dos consumidores era de que, após efetuar recargas de crédito nos celulares pré-pagos, eles estariam recebendo mensagens de texto sobre serviços que não foram solicitados, além da cobrança de R$ 4,99 pela suposta contratação.

O MPF concluiu que tanto as operadoras de telefonia móvel quanto terceiros, que com elas desenvolvem parcerias na prestação dos SVA, desrespeitam os consumidores. Além disso, verificou que a Anatel, incumbida constitucional e legalmente de regulamentar as atividades de telefonia móvel e coibir as práticas prejudiciais aos consumidores, estaria se omitindo nas fiscalizações e autuações.

Por isso, a ação pede que, de imediato, as cobranças relativas a serviços não contratados e à ativação de serviços de SVA não autorizados sejam imediatamente suspensas, sob pena de pagamento de multa diária no valor de R$ 1 mil para cada SVA ativado sem anuência do usuário. Também pede a condenação solidária das operadoras ao pagamento de R$ 50 milhões a título de dano moral coletivo.

Com informações de Terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário