quinta-feira, 1 de maio de 2014

Governo brasileiro pode ter prioridade no leilão do 4G, conclui estudo

O que você achou? 
Tão aguardada pelas empresas de internet, serviços públicos devem ter prioridade na aquisição da faixa de 700 MHz.

O 4G foi implementado aos trancos e barrancos no Brasil em 2013 e segue assim até hoje, desagradando os usuários que se arriscam a pagar caro para experimentá-lo. Uma das saídas para melhorar a qualidade do serviço é a liberação da faixa 700 MHz, considerada o "filé mignon" da tecnologia por impulsionar o alcance da internet móvel. Alvo de disputas entre as operadoras, o 4G é agora cobiçado também pelos serviços públicos.

Um estudo encomendado pela Motorola Solutions à consultoria IDC avaliou os benefícios que a internet mais rápida pode trazer a corporações como a Polícia Militar, de responsabilidade estadual, e o Exército, no âmbito federal. A conclusão é que o Brasil deveria priorizar os serviços públicos no uso do espectro dos 700 MHz para fomentar a infraestrutura de segurança.

“É essencial atribuir prioridade a redes de serviços públicos. A decisão do Brasil evitará que as redes de segurança pública tenham de 'competir' com as comerciais, o que é inviável por sua criticidade. Será importante garantir o correto funcionamento, com a limpeza e manutenção do espectro, levando em consideração que a faixa se encontra atualmente em uso por outras aplicações”, diz Diego Anesini, diretor de pesquisas da IDC na América Latina.

A intenção da pesquisa, que entrevistou órgãos reguladores, organizações do setor e entidades, é equiparar o Brasil a países como Estados Unidos, México e Chile, nos quais o 4G está a serviço das instituições governamentais. Nos EUA, por exemplo, 20 MHz da faixa de 700 MHz são reservados a entidades públicas, mostra o estudo.

De acordo com a IDC, a Comissão Interamericana de Telecomunicações (Citel), que atua como órgão assessor da Organização dos Estados Americanos (OEA), recomendou, em novembro de 2013, o uso dos 700 MHz a seus Estados-Membros, como o Brasil. À época, a comissão destacou os benefícios da utilização da frequência para banda larga de segurança pública e socorro.

O 4G brasileiro funciona atualmente apenas no espectro de 2,5 GHz. Até o fim do ano, a Anatel deverá realizar o leilão para distribuir as licenças de exploração dos 700 MHz, faixa que hoje em dia é ocupada por canais de TV que aos poucos são remanejados para outras frequências.

Com informações de Olhar Digital.

5 comentários:

  1. Por que nao colocam o 4 G na antiga faixa TDMA / CDMA de 800 e 850 mhz e nao deixa a faixa de 700mhz para a TV digital???

    colocando o 4G em 800 ou 850 mhz teremos mais equipamentos compativeis para captar sinal com um otimo alcance.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com Você! Até pelo fato que as emissoras de TV cobrem uma maior parte da população no que é diferente das operadoras de telefonia que só vão onde tem interesse.

      Assim, tendo a mudança do 4G para 800 ou 850 Mhz, o atual sinal digital da TV aberta não sofreria interferência e toda a população teria acesso à nova tecnologia atendendo até mesmo à aparelhos 2G que possuem essa frequência mantendo o serviço de Voz. Quem quiser dados, substitua o aparelho, quem não quiser, terá um alcance bom de sinal sem gastos.

      Uma vez que o 3G é ridículo, basta melhorar com o 4G atendendo a qualquer aparelho tornando a tecnologia mais acessível e compatível.

      Excluir
    2. Parabéns pelo comentário. Uma pena que não se identificou pois você merece ser condecorado(a) por se preocupar com tudo e todos!!!

      Excluir
  2. A faixa 850 MHZ já está ocupada com o EDGE E 3G,precisamos usar a faixa de 700 MHZ para deixar como uma faixa mundial para o 4G,essa é a melhor frequência em um pais que tem poucas antenas.

    ResponderExcluir