sábado, 24 de maio de 2014

Assinante é mais fiel a serviços de TV Paga que oferecem 'multiplataforma'

O que você achou? 
Facilidades como assistir a programação ao vivo por um dispositivo móvel quando todas os televisores da casa estiverem ocupados, ou mesmo ver o conteúdo perdido quando quiser tem levado cada vez mais pessoas a adotar esse tipo de serviço junto a operadora.

A Viacom publicou nesta quinta-feira (22), resultados do seu estudo "TV Here, There, (Not Quite) Everywhere", que explorou o comportamento de usuários de aplicativos e sites de TV everywhere (TVE). Segundo o estudo, quem utiliza esse serviço tende a assistir também mais conteúdo televisivo em outras plataformas de distribuição. Os dados também mostram que assinantes são mais fiéis a operadoras que oferecem serviços de TV everywhere.

O estudo considerou como consumidor de TV everywhere quem assiste a filmes ou programas completos em aplicativos ou sites que funcionem por autenticação ou que exijam log-in com informações do assinante de TV paga. Foram realizadas pesquisas online com 1.300 telespectadores entre 13 e 49 anos e 600 crianças entre 2 e 12 anos. Entre os participantes, havia pessoas que utilizavam e pessoas que não utilizavam serviços de TV everywhere.

Segundo a Viacom, 64% dos entrevistados que utilizaram os serviços passaram a consumir mais conteúdo televisivo. Além disso, 98% responderam que plataformas de TV everywhere agregam valor ao serviço de TV paga, sendo que 67% disseram que "agrega muito valor". A grande maioria (93%) disse ser mais provável manter sua assinatura de TV se a operadora oferecer serviço de TVE, e 68% disseram ter uma impressão mais favorável das empresas que oferecem o serviço.

Entre os entrevistados que afirmaram usar serviços de TV everywhere, 31% disseram utilizar para assistir um mesmo episódio mais de uma vez, e 22% disseram que usam para assistir a um programa desde sua primeira temporada. Mais de um terço apontou não poder assistir ao programa na grade linear como um dos motivos para utilizar o serviço, e 28% disse utilizar por estarem longe de casa. Estar com todas as televisões da casa ocupadas e poder mudar de cômodo sem parar de assistir um programa foram apontados como motivos para usar o TV Everywhere por 22% dos entrevistados.

Mais que dois terços responderam preferir utilizar o serviço de TV everywhere a serviços de terceiros ou sites grátis porque eles oferecem mais programas (42%), possuem as séries que eles querem assistir (38%) e proporcionam conteúdo exclusivo (23%).

Apenas 19% dos usuários entrevistados disseram não ter problemas com seus serviços de TVE. Entre os 81% restantes, o problema mais citado foi a demora para carregar o conteúdo (24%), seguido pela paralisação da imagem ou queda do sinal (23%).

Entre os que não utilizam o serviço, as maiores barreiras apontadas foram: não ver necessidade de utilizar a plataforma, preocupações com custos adicionais e não saber da existência do serviço.

Ao serem questionados sobre quais qualidades são necessárias para que um serviço de TV everywhere ofereça uma boa experiência, a maioria entre aqueles que usam o serviço apontou flexibilidade, portfólio de conteúdo extenso, busca e recomendação de conteúdo inteligente e perfis múltiplos e customizáveis.

No quesito flexibilidade, os usuários responderam que desejam poder parar e voltar a assistir o conteúdo depois no mesmo ponto (66%), poder assistir em qualquer dispositivo (64%) e utilizar o serviço com redes Wi-Fi fora da própria residência (60%).

Em relação ao conteúdo, a maior parte dos usuários pediu acesso imediato a episódios recentes (65%), antigas temporadas dos programas (62%), conteúdo sem data de expiração (62%) e TV ao vivo (56%).

Na busca, os usuários recomendaram caixas de pesquisa para encontrar programas específicos (68%), conteúdo organizado (59%) e a possibilidade de criar suas próprias listas de exibição (55%).

Por fim, poder criar diferentes perfis em uma mesma conta (48%) e a possibilidade de personaliza-los (52%) também foram apontadas como características importantes.

Com informações de Teletime.

Nenhum comentário:

Postar um comentário