segunda-feira, 3 de março de 2014

Teles devem investir mais em serviço de dados para manter receita

O que você achou? 
De olho no crescimento acelerado de smartphones e tablets no mercado, operadoras estão preparando o terreno para não ter prejuízos
O crescimento discreto da receita associado ao ambiente altamente competitivo pressionou a rentabilidade das operadoras de telecomunicações ao longo de 2013, levando as empresas a buscarem alternativas para a recuperação do faturamento e das margens. A principal estratégia será reforçar a atuação nos segmentos de maior valor agregado e que têm mostrado forte demanda entre os consumidores. Isso aponta, na prática, para os serviços de dados para dispositivos móveis, como smartphones e tablets. Em 2013, as empresas conseguiram expandir moderadamente as suas receitas na comparação com 2012, de acordo com os balanços da Telefônica|Vivo (+2,4%), TIM (+6,2%), Claro (+8,1%) e Oi (+1,0%). No entanto, a rentabilidade das operações no ano recuou, conforme mostram os dados da margem Ebitda (margem do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização). A Vivo perdeu 3,7%, TIM 0,6%, e Claro 0,4%.

A Oi conseguiu crescer 2,2% com a contribuição não recorrente da venda de ativos. “Realmente estamos vendo uma desaceleração nas taxas de crescimento das operadoras”, afirmou o especialista em telecom da consultoria Frost & Sullivan, Renato Pasquini. “Isso é resultado de um misto de menor crescimento da economia brasileira, limitações por aspectos regulatórios e mais competição entre as operadoras”, apontou. Do ponto de vista econômico, o ano de 2013 foi marcado pelo baixo nível de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que afetou os níveis de consumo da população. Em paralelo, o mercado de telefonia móvel deu sinais de saturação.

O total de linhas ativas no País chegou a 271,1 milhões no fim de 2013, uma expansão de apenas 3,5%, enquanto em 2012 esse avanço foi de 8,1%, de acordo com pesquisa da Anatel. Isso indica que há pouco espaço para a ativação de novas linhas, até porque muitas pessoas já têm mais de um chip ativo. Do ponto de vista de competição, as operadoras consolidaram a oferta de chamadas de voz e internet sem limite, por um preço único, diário ou semanal. A estratégia ajudou a atrair e segurar clientes, mas restringiu o crescimento da receita por usuário, segundo avaliação de Pasquini. “A maioria dos clientes aderiu a esses planos, que limita os seus gastos. É bom para o consumidor, mas limitador para empresas”, disse. Os ganhos das operadoras também sofreram o baque provocado pela redução das tarifas de interconexão, cobradas na ligação de telefones fixos para móveis.

O corte determinado pela Anatel foi de 8,8% em 2013. Em 2014 e 2015, haverá mais duas reduções na tarifa, de cerca de 13% em cada ano.

O caminho apontado pelas operadoras para recuperar o faturamento é apostar nos serviços de dados (jogos, música, vídeo, aplicativos, entre outros) e, em alguns casos, nos pacotes de TV por assinatura, que têm forte demanda entre os consumidores. A TIM e a Vivo, por exemplo reportaram alta de 17% e 19%, respectivamente, nas receitas de dados no quarto trimestre.

“Existe, sim, a crença e o planejamento de manutenção no ritmo de crescimento da receita de dados”, afirmou o diretor-presidente da TIM, Rodrigo Abreu, durante conferência neste mês com analistas e investidores. “Estruturalmente, ainda existe potencial de crescimento entre usuários que não são usuários de dados”, afirmou o executivo, atentando para o fato de que a grande maioria da população ainda utiliza celulares pré-pagos e não teve contato com os atrativos da internet móvel. “Entendemos que a tendência mundial da telefonia é o uso de dados. O nosso foco tem sido garantir uma boa experiência nessa utilização”, afirmou o presidente da Claro, Carlos Zenteno, em entrevista recente.

Na sua avaliação, a estratégia de investimentos em infraestrutura aliada às ofertas de novos serviços de dados possibilitaram a Claro 'abocanhar' o maior número de clientes de telefonia móvel ao longo do ano passado. Dentre o total de novas linhas de celulares ativadas em 2013, a Claro ficou com 3,4 milhões (37,3%), seguida por TIM com 3,0 milhões (32,8%), Vivo com 1,1 milhão (11,9%) e Oi com 978 mil (10,5%), segundo dados da Anatel. Na mesma tendência, a Vivo vem lançando seguidamente uma série de aplicativos e serviços on-line para atrair esses consumidores de contas pré-pagas para pós-pagas. “Essa é uma estratégia que nós vamos continuar perseguindo e incentivando”, frisou Antônio Carlos Valente, presidente da companhia, em entrevista à imprensa.

A companhia planeja acelerar os investimentos, passando de 17% da receita em 2013 para 18% a 19% em 2014, com foco na expansão da rede de cobertura 3G e 4G, fundamental para melhorar a qualidade dos serviços móveis, e das redes de internet de ultra banda larga, destinadas a clientes fixos, permitindo o desenvolvimento de serviços de TV por assinatura.

4 comentários:

  1. Ola como faco para cancelar meu pacote de 250 mega ,para poder usar a internet diária pagando somente 0, 99 centavos por dia ?

    ResponderExcluir
  2. Ola como faco para cancelar meu pacote de 250 mega ,para poder usar a internet diária pagando somente 0, 99 centavos por dia ?

    ResponderExcluir
  3. Ola como faco para cancelar meu pacote de 250 mega ,para poder usar a internet diária pagando somente 0, 99 centavos por dia ?

    ResponderExcluir
  4. Ola como faco para cancelar meu pacote de 250 mega ,para poder usar a internet diária pagando somente 0, 99 centavos por dia ?

    ResponderExcluir