sexta-feira, 7 de junho de 2013

Problemas de rede persistem no Ceará

O que você achou? 
Completado um mês da última maior série de caladões que acometeu a capital cearense, os problemas com as operadoras de telefonia continuam presentes no dia a dia do fortalezense. O problema resultou em mais uma manifestação da Ordem dos Advogados do Brasil no Ceará (OAB-CE) junto à Anatel, mas, mesmo assim, clientes da Oi relataram dificuldades em realizar ligações e acessar o 3G.

O serviço de telefonia móvel no Estado, inclusive, foi alvo até de pedidos de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), foram duas solicitações para apurar supostas irregularidades em menos de um ano. Já o ofício protocolado pela Comissão de Direitos do Consumidor da OAB-CE pedindo informações sobre a infraestrutura local não obteve nenhum retorno.

"Os técnicos da Anatel no Ceará disseram que encaminharam nosso ofício para a gerência de controle de qualidade deles em Brasília. A comissão vai se reunir esta semana e decidiremos se vamos tomar uma decisão mais enérgica ou vamos reiterar o ofício", contou a vice-presidente da comissão de Direitos do Consumidor da OAB-CE, Ana Peixe.

A assessoria da Oi disse que a rede da empresa não apresentou defeito na manhã de ontem e que nenhuma reclamação foi registrada no call center.

Alvos constantes da manifestação pública tanto dos clientes quanto dos órgãos de defesa do consumidor, as operadoras disseram investir no Ceará quantias da ordem de milhões.

A TIM informou que "no triênio 2012-2014, a companhia segue com previsão de investimento de R$ 172 milhões", dos quais, R$ 30 milhões serão aplicados neste ano.

A Oi também enviou nota dizendo da aplicação de R$ 180 milhões em infraestrutura em 2012 no Estado. A Vivo informou que o investimento de mais de R$ 1 bilhão já foi aplicado para toda a área 10 da Anatel, que abrange, além do Ceará, Alagoas, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Piauí. A quantia, segundo a nota, é parte dos R$ 24,3 bilhões reservados pela operadora para todos os estados brasileiros.

Também trabalhando na perspectiva nacional e sem revelar aplicações por estado, a Claro contou a previsão de aplicar R$ 6,3 bilhões até 2014.