quarta-feira, 1 de maio de 2013

Lucro da TIM cresce 13,9% no 1º trimestre

O que você achou? 
A TIM registrou lucro de R$ 306,1 milhões no primeiro trimestre deste ano, o que representa um crescimento de 13,9% em relação ao mesmo período do ano passado. A receita bruta total da companhia aumentou 6,3% no mesmo intervalo, atingindo R$ 7,02 bilhões, puxada pelo faturamento bruto de serviços (+3,2%) e de produtos (+33,5%).

Na comparação com o quarto trimestre houve redução em quase todos os parâmetros financeiros, mas isso é esperado em razão da sazonalidade: as vendas de Natal são as melhores do ano para o setor de telecomunicações.

Na comparação anual entre trimestres, a receita com assinatura e utilização manteve-se praticamente estagnada (-0,4%), totalizando R$ 2,69 bilhões entre janeiro e março deste ano. As receitas com longa distância e com interconexão cresceram pouco: 3,5% e 3,9%, alcançando R$ 830 milhões e R$ 1 bilhão, respectivamente.

O maior destaque positivo entre os serviços foi a receita com serviços de valor adicionado, que cresceu 24,6%, alcançando R$ 1,25 bilhão e representando 21,4% da receita bruta de serviços. No mesmo período do ano passado, a participação dessa área fora de 18,1%.

Parte da explicação para esse bom desempenho se deve ao aumento das vendas de webphones e smartphones, que puxam a demanda por planos de dados: 70% dos terminais comercializados pela TIM no primeiro trimestre eram dessas categorias. A receita bruta da operadora com produtos cresceu 33,5% e alcançou R$ 899 milhões.

O único serviço a registrar piora em relação ao primeiro trimestre de 2012 foi o de telefonia fixa, com queda de 29,4%, baixando para R$ 293,8 milhões. Nesses números estão incluídos Intelig, TIM Live e TIM Fixo. A empresa atribui o resultado à reestruturação dos negócios da Intelig e à migração das receitas de longa distância da Intelig para a TIM Celular.

A receita líquida da TIM foi de R$ 4,71 bilhões, o que representou um crescimento de 5,4% em comparação com o primeiro trimestre de 2012. O EBITDA, por sua vez, cresceu 3,9% no mesmo intervalo, atingindo R$ 1,22 bilhão. A margem EBITDA, contudo, caiu 0,37% nesse período, baixando de 26,3% para 25,9%.

A receita mensal média por usuário (Arpu, na sigla em inglês) no primeiro trimestre foi de R$ 18,5, o que representa uma queda anual de 3,6% que a empresa atribui ao corte da tarifa de interconexão móvel (VU-M). Por sua vez, a média mensal de minutos trafegados por usuário (MOU, na sigla em inglês) subiu 14,6%, alcançando 145 minutos. O aumento foi puxado pela alta de 25,6% no tráfego sainte, em relação ao mesmo período do ano passado, em razão do sucesso dos planos Infinity e Liberty, que cobram por chamadas, não por minutos.

A TIM investiu R$ 470 milhões entre janeiro e março deste ano, 90% dos quais foram alocados em infraestrutura de rede. Esse montante representa uma diminuição de 13,3% em relação ao mesmo período do ano passado, em razão de renegociação com fornecedores e ganhos de eficiência.

A dívida bruta da TIM ao fim de março era de R$ 4,33 bilhões. Houve um aumento de 17,8% em 12 meses, atribuído a um empréstimo de R$ 1 bilhão obtido junto ao BNDES. Aproximadamente 37% da dívida está em dólares, 100% protegida por hedge. A dívida líquida ao fim de março era de R$ 1,55 bilhão, o que representa uma relação de 0,31 vez o EBITDA. Um ano atrás era de 0,4.