quinta-feira, 9 de maio de 2013

Celulares não causam interferência em aviões ou explodem bombas de gasolina

O que você achou? 
O setor de telefonia móvel reafirmou que os celulares não interferem em aviões ou provoca explosões em bombas de postos de combustível.

Em declaração, a Associação de Telecomunicações Móveis da Austrália (ATMA) discutiu algumas afirmações sobre os perigos da telefonia móvel, que receberam atenção da mídia:

A ATMA disse que "não há evidências" de que os celulares podem interferir nos sistemas da aeronave de dentro da cabine de passageiros. E nenhuma regulamentação do governo impõe às companhias aéreas restringir o uso de telefones, disse.

Ainda assim, a Associação aconselhou os passageiros a aderir às políticas aéreas que exigem que celulares sejam desligados na decolagem e pouso, e colocá-los em "modo avião" durante o vôo. "Aviões modernos são projetados para atender a rigorosos padrões internacionais de segurança, incluindo a abrangente proteção de sistemas eletrônicos e de fiação dos aviões", disse o CEO da ATMA, Chris Althaus.

"Estes requisitos de proteção são destinados especificamente para evitar a interferência eletromagnética. Na verdade, as aeronaves rotineiramente lidam com grandes fontes de energia eletromagnética, tais como sistemas de radar do aeroporto de alta potência."

No que diz respeito às preocupações sobre o uso de celulares enquanto motoristas abastecem seus automóveis, a ATMA afirmou que "a quantidade de energia de radiofrequência emitida por telefones portáteis modernos é muito baixa para causar uma faísca, o que poderia inflamar a gasolina."

"A preocupação com o uso do telefone celular em postos de gasolina foi baseada na crença de que havia um risco da bateria ser desconectada do aparelho e causar uma faísca, o que poderia inflamar o combustível, embora ninguém possui qualquer prova crível para apoiar esta opinião", disse a ATMA.

Na verdade, disse a Associação, a própria estática do corpo de uma pessoa é mais suscetível de causar incêndios em bombas de gasolina. A organização cita um relatório de 2005 do Departamento Australiano de Segurança do Transporte:

"Embora os incêndios foram reivindicados por ser causados pela explosão de telefones celulares, especialistas posteriormente mostraram que nenhum dos incidentes foi associado a equipamentos de telecomunicações", disse o relatório sobre 243 incêndios relatados em todo o mundo entre 1993 e 2004.

"Em vez disso, muitos deles foram causados pela descarga de eletricidade estática do corpo humano".